“A investigação é fundamental para a evolução da saúde e da medicina, não só em Portugal como em qualquer parte do mundo”, arfimou esta quarta-feira Miguel Guimarães, presidente da Ordem dos Médicos do Norte.

Num comunicado de imprensa enviado às redações, Guimarães defendeu que “tem sido a procura de novos medicamentos que tem permitido que hoje seja possível controlar ou mesmo curar doenças antes incontroláveis ou incuráveis, como por exemplo algumas doenças do foro oncológico ou infeccioso”.

O presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos (CRNOM) mostrou-se, assim, preocupado com as repercussões negativas na sequência de um ensaio clínico que correu mal em França e que teve por base uma molécula criada pela farmacêutica portuguesa Bial.

“Toda a investigação original comporta riscos normalmente pequenos”, assegurou Guimarães, fazendo referência a um estudo publicado no British Medical Journal que assegura que “estes ensaios clínicos com novas moléculas comportam riscos de eventos adversos significativos para os voluntários na ordem dos 0,3%”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não obstante, Miguel Guimarães garantiu ter conhecimento de que todas as regras internacionais de boas práticas clínicas, bem como a Declaração de Helsínquia e a legislação aplicável, “foram escrupulosamente cumpridas, tendo o estudo sido devidamente aprovado pelas Autoridades Regulamentares Francesas e pela Comissão Nacional de Ética Francesa”.

O presidente não deixou de lamentar a perda de uma vida humana e recordou ainda que a Bial “é o principal laboratório nacional na área da indústria farmacêutica”.