Rádio Observador

Partido Da Terra

Projeto da Segunda Circular “foi feito em cima do joelho” e “tem riscos”

148

O presidente do Partido da Terra criticou o projeto para a requalificação da Segunda Circular, em Lisboa. "Foi feito em cima do joelho" e "tem riscos para a segurança das pessoas".

LUSA

O presidente do Partido da Terra (MPT) criticou nesta segunda-feira o projeto para a requalificação da Segunda Circular, em Lisboa, por considerar que “foi feito em cima do joelho” e “tem riscos para a segurança das pessoas”. “Trata-se de um mero Photoshop, mas que na prática não é exequível porque traz alguns riscos para a segurança das pessoas”, disse José Inácio Faria.

O responsável dava a conhecer aos jornalistas a posição do MPT acerca do projeto da Segunda Circular, que tomou depois de ouvir entidades como o Automóvel Club de Portugal, o Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves, o Laboratório Nacional de Engenharia Civil, a Associação de Pilotos Portugueses de Linha Aérea e a Autoridade Nacional da Aviação Civil.

O também eurodeputado considera que o projeto não foi “ponderado o suficiente”, que “pouco ou nenhuns estudos foram feitos” e que o plano carece de “sustentabilidade técnica”.

Para José Inácio Faria, o estreitamento das vias “vai trazer engarrafamentos brutais” à Segunda Circular e os automobilistas não têm alternativas porque a CRIL (Circular Regional Interior de Lisboa, o Eixo Norte-Sul e a CREL (Circular Regional Exterior de Lisboa) “não são alternativa” porque também estão congestionadas.

Lamentando que a câmara não tenha ouvido os lisboetas, nem técnicos e que não haja estudos de impacto ambiental, o presidente do MPT (partido com um assento na assembleia municipal) defendeu ainda que as oito mil árvores que a autarquia pretende colocar (no separador central e na envolvente) não serão as mais corretas porque são de “folha caduca”, logo propícias a tornar o piso mais escorregadio.

“Além disso, vai implicar que traga também fauna e as aves perto do aeroporto trazem problemas acrescidos”, acrescentou, corroborando alertas já feitos por organismos do setor da aviação.

Referindo-se às entidades com quem teve reuniões, disse que a tónica de todas “foi a segurança, tanto para automóveis como para aviões”, bem como o facto de “não terem sido ouvidas”. “Não consigo compreender como numa intervenção destas, numa das artérias principais de Lisboa de ligação com o norte e a zona oeste, estas entidades não foram ouvidas”, frisou.

O líder do MPT fez saber que vai apresentar duas questões aos comissários europeus do Ambiente e dos Transportes acerca desta matéria e assegurou que vai envidar todos os esforços para que este tipo de projetos tenha uma outra abertura e outro procedimento, mais junto das populações.

“Não percebo como é que o presidente se propõe a tomar uma decisão destas sem ouvir as pessoas e sem sequer ter em consideração a posição da sociedade e dos especialistas”, afirmou, acrescentando que se está “numa sociedade democrática e as forças democráticas da sociedade têm de ser ouvidas”.

Afirmando que este projeto foi “feito em cima do joelho”, o presidente do MPT disse esperar que o presidente da câmara, Fernando Medina (PS), tenha “o bom senso de voltar atrás e fazer as coisas como deve de ser”.

Até 29 de janeiro, está em consulta pública o projeto da maioria socialista no executivo, que visa diminuir o tráfego de atravessamento na Segunda Circular através da reformulação de alguns acessos e dos nós de acesso ao IC19 (itinerário complementar) e à A1 (autoestrada), encaminhando o trânsito para a CRIL.

Prevê-se a redução da largura das vias, a montagem de barreiras acústicas, a reabilitação da drenagem e do piso, a renovação da iluminação pública e da sinalética e a diminuição da velocidade, de 80 para 60 quilómetros/hora. Estima-se que as obras custem perto de 12 milhões de euros (já contando com o Imposto sobre o Valor Acrescentado — IVA) e que se iniciem no primeiro semestre deste ano, tendo a duração de 11 meses.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
133

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)