Joseph Fiennes, ator norte-americano que já participou em filmes como “A Paixão de Shakespeare” (1998) e “O Mercador de Veneza” (2004), foi o escolhido pela estação britânica Sky Arts para interpretar o papel da lenda pop Michael Jackson, num filme que o canal irá transmitir.

O filme, intitulado “Elizabeth, Marlon e Michael”, será uma comédia semi-ficcional baseada num artigo da Vanity Fair, que relata a viagem de carro que Michael Jackson, Marlon Brando e Elizabeth Taylor terão feito em 2001, desde a cidade de Nova Iorque até ao estado de Ohio. A viagem, que de carro dura mais de oito horas, terá sido feita após os atentados ao World Trade Center, a 11 de setembro desse ano, segundo afirma a revista. Contudo, a veracidade da história já foi colocada em causa por várias pessoas, entre as quais uma assistente de Elizabeth Taylor, relata a BBC.

De acordo com esse artigo, Michael Jackson, Marlon Brando e Elizabeth Taylor estariam em Nova Iorque nesse período. Brando e Taylor terão sido convidados pela lenda da música pop para assistir aos seus concertos de celebração de 30 anos de carreira, no Madison Square Garden. Os três planeavam já o regresso a Los Angeles, onde moravam, quando se deram os ataques, que levaram ao cancelamento dos voos no país. O músico e o ator terão então receado ser vítimas de futuros ataques e, incomodados também pelos seus fãs, terão decidido alugar um carro para sair da cidade nova-iorquina, rumo a Ohio, segundo diz a revista.

A escolha de Joseph Fiennes está a motivar algumas críticas, devido à cor de pele do ator, que é irmão do também ator Ralph Fiennes. Joseph é caucasiano, ao contrário de Michael Jackson, cuja pele foi contudo tornando-se cada vez mais clara com os anos, alegadamente devido a uma doença que sofria e que lhe alterou a pigmentação.

Numa altura em que a indústria televisiva tem sido criticada pela discriminação racial feita a afro-americanos (não há qualquer negro entre os nomeados para as principais categorias dos Oscares 2015), houve quem considerasse que a escolha faz pouco sentido e que esta deveria ter recaído antes num ator não caucasiano, que poderia, eventualmente, estar maquilhado por forma a assemelhar-se a Michael Jackson.

O ator, tendo-se manifestado surpreendido com a escolha, defendeu-se contudo das críticas, sugerindo que “provavelmente [Michael Jackson] tinha uma cor mais parecida à minha do que à sua cor original” em 2001, altura que o filme pretende retratar.

Os papéis de Elizabeth Taylor e Marlon Brando serão interpretados pelos atores Stockard Channing e Brian Cox, respetivamente.