Assembleia Da República

Assembleia confirma fim das taxas no aborto e adoção por casais homossexuais

567

Leis sobre a revogação de taxas moderadores no aborto e adoção por casais do mesmo sexo foram novamente aprovadas na Assembleia. Diplomas serão enviados "rapidamente" para o Presidente.

JOAO RELVAS/LUSA

Os diplomas que Cavaco vetou vão agora voltar a Belém depois de serem novamente aprovados pela Assembleia da República. O Presidente foi acusado de “revanchismo” no plenário depois de ter devolvido diplomas sobre a introdução de taxas moderadoras na interrupção voluntária da gravidez e na adoção por casais do mesmo sexo. Paula Teixeira da Cruz, ex-ministra da Justiça, votou favoravelmente os dois diplomas.

No final da votação, onde a maioria foi favorável à confirmação dos dois diplomas – nomeadamente PS, CDS, PCP, Verdes e PAN – o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, afirmou que os diplomas seriam enviados “rapidamente” para Belém. Pedro Delgado Alves, deputado do PS, afirmou que o seu partido “mantém a firme vontade democrática de proteger as famílias” e todas a pessoas que sejam discriminados, “derrubando o último obstáculo neste percurso”, numa referência a Cavaco Silva.

O Presidente vetou estes dois diplomas no final de janeiro, logo após as eleições presidenciais, devolvendo assim estas duas leis ao Parlamento. Tanto o PS, como os partidos que apoiam o Governo no Parlamento, já tinham afirmado que as duas medidas seriam aprovadas novamente. Na discussão, o Bloco de Esquerda criticou as “palavras amargas” de Cavaco Silva, a deputada socialista Isabel Moreira afirmou que o Presidente optou pela “inutilidade”, enquanto o PSD disse que a esquerda estava a levar a cabo “um lamentável ajuste de contas com o Presidente”.

No diploma sobre a revogação das taxas moderadoras do aborto, houve 119 votos a favor – PS, BE, PCP, PAN e PEV – e 97 votos contra – PSD e CDS. A deputada Paula Teixeira da Cruz foi a única deputada à direita que votou favoravelmente este diploma. No que diz respeito à adoção por casais do mesmo sexo, 137 deputados votaram a favor, 73 contra e houve 8 abstenções. Vários deputados do PSD, como Teixeira da Cruz, mas também Teresa Caeiro votaram favoravelmente e outros deputados sociais-democratas como Duarte Marques ou Berta Cabral abstiveram-se. No CDS, dois deputados também optaram pela abstenção. Nem Paulo Portas, nem Pedro Passos Coelho estavam presentes durante estas votações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PAN

Viva o Dragão-de-Komodo!

Pedro Barros Ferreira
197

Partidos como o PAN e, também, o Bloco, vão inventando variações cada vez mais disparatadas sobre as microcausas que os fizeram nascer e ganhar votos. Esse é o problema: até onde irá a falta de senso?

Democracia

Quem tem medo da independência? /premium

Paulo Trigo Pereira
119

Numa visão muitíssimo limitada de democracia, esta resume-se à regra da maioria, mas uma democracia liberal é muito mais do que isto. E dela fazem parte integrante os reguladores independentes.

Assembleia Da República

As raposas e os galinheiros

Susana Coroado
351

As raposas dentro do galinheiro não são apenas os lobistas, são também alguns deputados que procuram influenciar as leis do parlamento em benefício dos seus interesses particulares.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)