O juiz Sérgio Moro pediu desculpa ao Supremo Tribunal Federal brasileiro pela divulgação das escutas com a conversa entre Lula da Silva e Dilma Rousseff. Segundo a Globo, o juiz escreveu um texto em que prestou satisfações ao ministro do Supremo, Teori Zavascki, e mostrou-se arrependido por ter autorizado a vinda das escutas a público, ainda que garanta que a intenção era boa.

“Diante da controvérsia decorrente do levantamento do sigilo das escutas telefónicas”, a decisão de Sérgio Moro poderá ter, reconhece o próprio, “trazido polémicas e constrangimentos desnecessários”. Por essa razão, o juiz pediu “respeitosas escusas ao Supremo Tribunal Federal”.

O mesmo juiz explicou, no texto, que o seu objetivo ao divulgar as escutas foi cumprir a regra prevista na Constituição de dar publicidade aos processos criminais e, além disso, porque achou que as conversas eram relevantes do ponto de vista criminal, refere a Globo.

Na opinião de Moro, não restam dúvidas de que naqueles telefonemas ficou clara uma tentativa de Lula de obstrução à Justiça e que, nesse contexto, não pode sobrepor-se o direito de privacidade do ex-presidente. Porém, o juiz garante que a decisão não teve qualquer relação com questões político-partidárias e sublinha que seguiu este mesmo critério desde o início do processo Lava Jato.