João Soares pede demissão de ministro da Cultura depois do caso das bofetadas. “Faço-o por razões que têm a ver com a minha profunda solidariedade para com o Governo“, escreve, num comunicado enviado à agência Lusa. António Costa já aceitou a demissão e figuras da Cultura dizem que foi “atitude adequada”. Gabriela Canavilhas, deputada do PS e antiga ministra da Cultura, negou ao Observador que venha a suceder a Soares.

No pedido de demissão das suas funções no Governo, apresentado ao primeiro-ministro, João Soares invoca razões de solidariedade com o executivo, anunciou a Lusa.

“Torno público que apresentei esta manhã ao senhor primeiro-ministro, António Costa, a minha demissão do XXI Governo Constitucional. Faço-o por razões que têm a ver com a minha profunda solidariedade com o Governo e o primeiro-ministro, e o seu projeto político de esquerda”, salienta João Soares no comunicado enviado à agência Lusa.

No mesmo comunicado, João Soares sublinha “o privilégio que representou” para ter integrado este Governo. “E ter trabalhado com o primeiro-ministro, a quem agradeço a confiança. Demito-me também por razões que têm a ver com o meu respeito pelos valores da liberdade. Não aceito prescindir do direito à expressão da opinião e palavra”, acrescenta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

João Soares começou por escrever na manhã de quinta-feira na sua página de Facebook que estava a dever “duas bofetadas salutares” ao crítico Augusto M. Seabra e também ao historiados Vasco Pulido Valente, ambos cronistas do Público. Ao longo da tarde, João Soares afirmou era “um homem pacífico”. “Não reagi a opiniões, reagi a insultos. Peço desculpa se os assustei”, disse. À noite, o primeiro-ministro reforçou este pedido de desculpas, afirmando que os ministros têm de ter consciência da sua posição.

Nenhum partido chegou a pedir a demissão do ministro, embora o PSD já tenha pedido esta manhã a presença do ministro na Assembleia da República. O curto mandato de João Soares ficou marcado também pela demissão de António Lamas, presidente do CCB. Foi substituído por Elísio Summavielle, que contactado pelo Observador preferiu não fazer quaisquer comentários sobre a demissão do ministro.

Veja aqui as reações de Barreto Xavier, Gabriela Canavilhas, Isabel Pires de Lima e José António Pinto Ribeiro à demissão de João Soares.