A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou hoje, em Amesterdão, que a Grécia precisa de fazer mais progressos para alcançar um acordo final no âmbito do cumprimento das condições do terceiro resgate.

À entrada da reunião informal dos ministros das Finanças da zona euro, a responsável admitiu haver “algum progresso”, mas defendeu que é “preciso mais para que a Grécia fique outra vez em pé”.

O resgate tem de “andar sobre duas pernas: as reformas e a sustentabilidade da dívida”, acrescentou a diretora do FMI, considerando que ficará satisfeita se se revelarem “exatos” os novos dados divulgados pelo governo grego.

Segundo os dados divulgados na quinta-feira, a Grécia terá encerrado 2015 com um ‘superavit’ primário de 0,7 %.

“Recebemos esses dados com muito interesse, se forem exatos terão um impacto sobre os diferentes cálculos. Temos assistido no passado que os primeiros números foram revistos uma e duas vezes”, disse.

A responsável escusou-se a comentar a situação de Portugal quando questionada à entrada para o encontro, que conta com a presença do secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, não se deslocou a Amesterdão por razões pessoais.