A Associação de Lesados do Banif (ALBOA) promove esta sexta-feira, no Funchal, uma manifestação em frente à sede do Santander Totta, instituição que adquiriu o banco, para exigir a devolução do dinheiro investido em diversas aplicações.

O presidente da ALBOA, Jaime Alves, disse à agência Lusa que “não há avanços concretos” face à situação dos lesados, pelo que o protesto, o terceiro realizado na Região Autónoma da Madeira, visa sobretudo “não deixar cair o caso no esquecimento”.

A 20 de dezembro de 2015, o Governo da República e o Banco de Portugal decidiram a venda da atividade do Banif e da maior parte dos seus ativos e passivos ao Banco Santander Totta, por 150 milhões de euros.

A associação representa três tipos de clientes: os acionistas, os obrigacionistas subordinados e os obrigacionistas da Rentipar.

Segundo a ALBOA, em termos de obrigacionistas, estão em causa cerca de 3.500 pessoas e 330 milhões de euros, mas universo é muito maior se se incluir os acionistas.

Num comunicado divulgado no início da semana, a Associação dos Lesados do Banif salienta que o protesto desta sexta-feira, agendado para as 11h30, servirá também para “sensibilizar o Santander Totta para aquilo que está acontecer com as pessoas”, tendo em consideração que estão em causa “anos de poupança, aforros de uma vida e casos que estão a causar marcas profundas na vida das pessoas”.

Nas duas manifestações já realizadas na Madeira, uma a 15 de fevereiro e outra 4 de março, participaram cerca de 300 lesados do Banif.