Mustafa Badr al-Din, o comandante militar do Hezbollah, terá sido morto durante um ataque aéreo em Damasco, na Síria, esta quinta-feira, informam meios de comunicação árabes. O ataque aéreo foi feito pelas forças militares israelitas.

A morte foi confirmada pelo próprio Hezbollah, movimento xiita libanês, na manhã desta sexta-feira, informa o Israel National News. O ataque terá ocorrido perto do aeroporto de Damasco, junto a uma base do movimento xiita.

“As informações recolhidas no decurso de uma investigação preliminar relevam que uma grande explosão visou uma das nossas posições perto do aeroporto internacional de Damasco, matando o comandante irmão Mustafa Badr al-Din e ferindo outras pessoas”, indicou o movimento que combate os rebeldes na Síria, ao lado das tropas do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

Um comunicado anteriormente divulgado pelo Hezbollah, dando conta da morte daquele que é considerado um dos seus principais chefes militares, indicava que Badr al-Din havia sido morto perto da fronteira sírio-libanesa na sequência de um ataque aéreo israelita.

Badr al-Din, que participou na maioria das “operações de resistência islâmica desde 1982”, foi considerado, pelo Tribunal Especial para o Líbano, criado em 2007 por decisão do Conselho de Segurança da ONU, um dos cinco mentores e executores do assassínio do ex-primeiro-ministro libanês Rafic Hariri, em 2005.

“Há uns meses ele disse: ‘Eu não vou voltar da Síria, a menos que seja como mártir ou a transportar a bandeira da vitória’. Ele é o comandante de topo Mustafa Badreddine. E ele voltou hoje como mártir”, indicou o Hezbollah num comunicado divulgado pelo canal Al-Manar.

Badr al-Din, de 55 anos, era o sucessor de Imad Mughniyeh, o antigo líder do Hezbollah que foi morto em 2008, alegadamente por forças israelitas, e estava acusado de ter assassinado o antigo presidente do Líbano Rafik Hariri, em 2005.