A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação caiu para 1,132% em abril, menos 0,032 pontos percentuais face ao observado em março, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com o INE, a prestação média vencida para a globalidade dos contratos foi de 238 euros (239 euros no mês anterior).

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita foi 2,070%, inferior em 0,063 pontos percentuais ao observado no mês anterior.

No destino de financiamento ‘Aquisição de Habitação’, o mais relevante no crédito à habitação, a taxa de juro no conjunto de contratos fixou-se em 1,143% (1,173% em março).

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro passou de 2,099% em março para 2,039% em abril, “representando a maior diminuição desde agosto de 2015”, segundo o INE.

O valor médio da prestação vencida para o conjunto dos contratos de crédito à habitação diminuiu um euro face ao observado em março, para 238 euros, em resultado de redução da componente juros.

O montante de capital médio em dívida para a totalidade dos contratos de crédito à habitação situou-se em 51.922 euros, diminuindo nove euros face a março.