A manifestação ibérica que decorreu neste sábado em Cáceres pelo encerramento da central nuclear de Almaraz, juntou cerca de 2.200 pessoas, das quais mais de 600 portugueses. “Foi um sucesso esta manifestação. Desde 1987 que não havia uma participação tão grande contra o nuclear”, disse à agência Lusa, Samuel Infante, da organização ambientalista Quercus.

O ambientalista adiantou ainda que espera que depois desta manifestação histórica, o Governo espanhol não ceda às pressões da indústria do nuclear. Durante a manifestação, que percorreu as principais avenidas de Cáceres e que terminou com uma grande concentração na Plaza Mayor da cidade espanhola, ouviram-se palavras de ordem como “Nuclear, não”, “Portugal aqui ao lado, nuclear não obrigado” ou “Espanha é capaz de fechar Almaraz”.

Samuel Infante recordou, uma vez mais, que a central nuclear espanhola “é uma bomba relógio” e adiantou que os políticos têm que cumprir o que prometeram depois do acidente nuclear no Japão. “Hoje tivemos aqui uma reflexão nas ruas de Cáceres. Esta, foi uma manifestação histórica”, concluiu o ambientalista.