O Trump Taj Mahal, que atualmente tem uma nova administração, é tudo o que resta do império de casinos que Donald J. Trump fez erguer há mais de 25 anos em Atlantic City, nos Estados Unidos da América, escreve o New York Times. Em causa está uma reportagem publicada este sábado com o título “Como Donald Trump levou os seus casinos em Atlantic City à falência e mesmo assim ganhou milhões”. O artigo dá conta do Trump Plaza Casino & Hotel, agora fechado, e também do Trump Marina Hotel Casino, vendido há cinco anos e atualmente conhecido como Golden Nugget.

O tema não vem ao acaso, com o jornal a deixar claro que não são raras as vezes em que o candidato republicano à Casa Branca destaca, quando em campanha, o seu sucesso em Atlantic City — de como enganou as firmas de Wall Street a financiar os seus casinos e de como acumulou uma enorme riqueza. Um dos principais argumentos de Trump para conquistar o apoio do eleitorado tem sido a promessa de que trará a mesma destreza de negócios para a Casa Branca, isto é, quer fazer pelo país o que reclama ter feito pelas suas empresas — em maio deste ano, o magnata argumentava em entrevista que a quantidade de dinheiro que tirou dos negócios concretizados naquela cidade foi “incrível”.

O argumento parece contradizer as descobertas feitas pelo New York Times — considerando registos judiciais a que a publicação teve acesso, entre outros documentos –, que no seu artigo reclama que os casinos de Trump em Altantic City foram “um fracasso prolongado” e que antes de a cidade cair financeiramente, já Trump caía há alguns anos. Recorde-se que em tempos a cidade terá tentando retirar o título de capital do jogo a Las Vegas.

“Mas mesmo que as suas empresas tenham tido um fraco desempenho, Trumo saiu-se bem”, lê-se na reportagem. A investigação do jornal aponta que as propriedades já mencionadas perderam dinheiro e acabaram por fechar portas, enquanto o homem por detrás da marca fez milhões ao deslocar dívidas pessoais para os casinos e ao arrecadar milhões em salário, bónus e outros pagamentos.

“O fardo dos seus fracassos caiu sobre os investidores e sobre aqueles que apostaram na sua visão de negócios”, escreve o jornal, que esclarece ainda que em três entrevistas feitas a Trump desde o último mês de abril, o magnata responsabilizou a queda dos casinos na dívida elevada e nas receitas em atraso. A investigação em causa adianta ainda que Trump financiou-se a taxas de juros tão elevadas, o que sugere que os negócios celebrados não terão sido feitos para durar.