Rádio Observador

Twitter

Deputada do PS sugere demissão de jornalista do Público no Twitter

5.786

Gabriela Canavilhas criticou na sua página de Twitter a cobertura feita pelo Público à manifestação de ontem em defesa da escola pública, sugerindo mesmo a demissão da jornalista.

Luis Pardal / Global Imagens

A deputada do PS e ex-ministra da Cultura Gabriela Canavilhas reagiu com indignação, no Twitter, à cobertura feita pelo jornal Público às manifestações dos últimos dias contra e a favor do fim dos contratos de associação nas escolas privadas. Numa série de tweets sobre o tema, onde partilha a reportagem publicada naquele jornal este sábado a respeito da manifestação de defesa da escola pública, a ex-ministra acaba por questionar porque é que a jornalista autora do artigo “ainda não foi despedida por escrever factos falsos”.

Ao Observador, Canavilhas desdramatiza o pedido de demissão de uma jornalista e diz que usa a rede social de forma oficiosa, “informal” e “descontraída”. “Foi um desabafo, uma coisa que se diz inopinadamente”, diz, mantendo a crítica de que a cobertura noticiosa da manifestação foi “tendenciosa”.

Em causa estão os números. “Há uma discrepância de números inaceitável”, afirma ao Observador, referindo-se às 15 mil pessoas que a reportagem, citando fonte policial, diz terem estado presentes, contrariando os números da organização que apontavam para 80 mil. No mesmo dia, uma fonte policial também tinha afirmado à repórter do Observador que acompanhou a manifestação, que estavam “cerca de 20 mil” pessoas a descer a Avenida da Liberdade, um número substancialmente inferior ao avançado por Mário Nogueira.

Cerca de uma hora depois de partilhar a notícia e de sugerir a demissão da jornalista Clara Viana, a deputada socialista voltou ao tema na mesma rede social e continuou as críticas, dirigidas àquela jornalista em particular: “Reportagem e opinião não são a mesma coisa. Há espaço no Público para Clara Viana dar a sua opinião”, escreveu. Pouco depois, voltou ainda a partilhar um artigo publicado num blogue, intitulado “Manifestação pela escola pública: a estranha cobertura do Público”, onde o autor reforça a ideia defendida pela deputada.

Para a deputada, “só quem não esteve lá pode dizer que estavam só 15 mil pessoas”. “A Avenida da Liberdade estava totalmente cheia, não passa pela cabeça de ninguém”, afirma ao Observador, lembrando que quando foi a manifestação em defesa dos colégios privados e da manutenção dos contratos de associação, no dia 29 de maio, o mesmo jornal usou apenas os números da organização para dizer que estiveram junto ao Parlamento cerca de 40 mil manifestantes.

Gabriela Canavilhas, contudo, desvaloriza ao Observador o comentário que fez na rede social, que é pública, defendendo que usa o Twitter como “espaço de expressão informal”. A atual deputada socialista afirma ainda que “alguém que tem o poder de fazer capas de jornais deve poder ser tão escrutinado como um político”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)