Rádio Observador

Copa América

Argentina perde Copa América e Messi diz adeus à seleção

1.185

Lionel Messi deixa a seleção argentina aos 29 anos e anunciou a decisão depois de a Argentina ter perdido a final da copa américa nos penaltis (Messi falhou o seu).

O internacional argentino falhou o penalti na final da competição que terminou este domingo

JASON SZENES/EPA

O jogador argentino Lionel Messi anunciou, no domingo, o seu adeus à seleção após perder uma nova final, desta feita, a da Copa América do Centenário diante do Chile em grandes penalidades.

Para mim a seleção nacional acabou. Fiz tudo o que podia, dói não ser campeão”, afirmou o capitão da formação albi-celeste, de 29 anos, em declarações aos jornalistas, após a sua quarta derrota numa grande final com a Argentina.

“É uma tristeza grande e além disso, toca-me a mim errar o penalti. Era importantíssimo fazê-lo para ganhar diferença”, disse o jogador. Citado pelo El País, Messi diz que renuncia “pelo bem de todos. Primeiro por mim e depois por todos. Há muita gente que deseja isto, porque não se conforma ao chegar às finais e não as ganhar, e nós também não nos conformamos”, explicou o número 10 da seleção argentina.

O capitão argentino acrescentou ainda: “Já tentei muito. Ninguém mais do que eu queria sair campeão com a Argentina, e vou-me sem o conseguir“.

O Chile venceu no domingo a Copa América do Centenário em futebol, ao voltar a ganhar, um ano depois, a Argentina no desempate por grandes penalidades, depois de 120 minutos sem golos. Após o triunfo de há um ano por 4-1, os chilenos venceram agora por 4-2, num desempate em que Lionel Messi foi um dos argentinos a falhar, reforçando a maldição ao serviço da seleção argentina, com a quarta final perdida.

Em New Jersey, os chilenos só falharam um penalti, enquanto os argentinos desperdiçaram dois, por Lionel Messi, que atirou por cima, e Lucas Biglia, num remate defendido por Claudio Bravo, antes de Francisco Silva selar o título.

Na final de 2015, o Chile, então anfitrião, já havia vencido na lotaria, por 4-1, também depois de 120 minutos sem golos.

No Twitter já circulam muitas reações à saída de Messi. O termo Mexit já foi inventado:

O jogador argentino Agüero diz que nunca viu no balneário o que encontrou neste jogo, apesar de não saber o que pensam os colegas.

Novas informações apontam para a saída de Javier Mascherano da seleção argentina.

Sergio Romero acredita que Messi falou “de cabeça quente”:

“O melhor jogador da nossa geração”, diz-se no Twitter.

Outros dizem que Messi carregou a equipa às costas durante 11 anos.

Estatísticas de internet: por cada 30 minutos de jogo na Copa América, Messi fez um golo ou uma assistência.

Por outro lado, já há algumas reações com humor, especialmente sobre o penalti falhado na final. “Finalmente aterrou o penalti de Messi.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)