Marcelo Rebelo de Sousa

Portugal e Moçambique debatem “pontes para o desenvolvimento económico”

Empresários e políticos portugueses e moçambicanos vão reunir-se para criar e reforçar "pontes para o desenvolvimento económico". O evento será encerrado por Marcelo Rebelo de Sousa.

O evento, que decorre durante a manhã na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais

ANTÓNIO SILVA/LUSA

O reforço e criação de “pontes para o desenvolvimento económico” de Moçambique junta esta terça-feira empresários e políticos portugueses e moçambicanos num evento em Cascais, que será encerrado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Portugal é um parceiro fundamental de Moçambique, a que está unido numa forte relação umbilical através da língua, mas também pelo investimento e pela mão-de-obra”, disse à Lusa Daniel David, presidente do conselho de administração do Grupo SOICO, organizador da conferência “Moçambique-Portugal – Pontes para o desenvolvimento económico”.

“Este fórum pretende criar um debate entre políticos e empresários sobre pontes de desenvolvimento e o papel fundamental de Portugal, no âmbito da diplomacia económica moçambicana. Portugal desempenha um importantíssimo papel de ponte entre Moçambique e a Europa e o Atlântico”, disse ainda o empresário moçambicano.

O ex-Presidente moçambicano Joaquim Chissano e Luísa Diogo, antiga primeira-ministra de Moçambique juntam-se a figuras portuguesas como o ex-vice-primeiro-ministro Paulo Portas, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Luís Amado, e Nuno Amado, presidente da comissão executiva do BCP, entre outros, num evento que marca o início da segunda edição do MOZEFO (2016-2017), um fórum bianual moçambicano lançado em 2014 pelo Grupo SOICO.

O evento, que decorre durante a manhã na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, culmina com um Jantar de Gala no Centro de Congressos no Estoril, onde o chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, presidirá à homenagem de “três empresas portuguesas que foram resilientes e, apesar da crise que o país atravessa, se mantêm em Moçambique com um investimento importante”, indicou ainda o empresário moçambicano.

No jantar será ainda homenageados “dois empresários, que foram para Moçambique quase como empregados e hoje lideram projetos empresariais relevantes”, acrescentou Daniel David, que se escusou a revelar os nomes das empresas e empresários homenageados.

O Fórum MOZEFO é uma plataforma alargada de debate apostada – nos termos do seu organizador – no “crescimento económico acelerado, inclusivo e sustentável de Moçambique”.

A primeira edição do MOZEFO (2014-2015) contou com a realização de um ciclo preparatório de cinco conferências económicas, que culminou com a realização do fórum “O Futuro É Agora. Humanizando o Crescimento”, em dezembro de 2015, em Maputo.

Esta edição repete o mesmo modelo.

A rampa de lançamento para fórum de 2017 em Maputo é mais uma vez um ciclo de conferências económicas, desta vez no âmbito da diplomacia económica, a serem realizadas nos principais países investidores em Moçambique.

Portugal foi o país escolhido para o arranque deste ciclo de conferências; seguem-se a África do Sul e os Emirados Árabes Unidos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
469

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
108

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)