As controvérsias nunca são de mais para Kanye West. Na sexta-feira, o rapper norte-americano apresentou em Los Angeles, perante uma plateia de 17 mil pessoas, o vídeo do primeiro single do álbum, The Life of Pablo, o novo disco de originais lançado em fevereiro. O único problema é que que o videoclip de “Famous” não é um videoclip qualquer.

Apesar de só estar disponível no Tidal, um site de música que apenas pode ser acedido por subscritores, o vídeo (ou melhor, partes dele) tem vindo a ser partilhado nas redes sociais. As imagens partilhadas pelos utilizadores mostram 11 famosos — George W. Bush, Donald Trump, Anna Wintour, Rihanna, Chris Brown, Taylor Swift, Kim Kardashian, Amber Rose, Caitlyn Jenner e Bill Cosby — deitados numa cama gigante com Kanye. E todos estão nus.

O vídeo de “Famous” foi inspirado numa obra do pintor realista Vincent Desiderio e, de acordo com o próprio Kanye West trata-se de “comentário à fama” que “não apoia ou critica nenhuma das pessoas”. Apesar de todos surgirem nus no videoclip, o rapper explicou numa entrevista exclusiva à Vanity Fair que todas as partes que pareciam ser sexuais foram retiradas.

Sobre a inclusão da sua mulher no vídeo, Kanye justificou-se referindo que há muitas coisas que diz que “as outras mulheres não deixariam os maridos dizerem”. “Mas a minha mulher também tira fotos que os outros maridos não deixariam as suas mulheres tirarem. Uma das chaves para a felicidade no nosso casamento é que podemos ser nós próprios.”

“Famous” é deliberadamente controverso, mas o músico não parece estar preocupado: “Podem processar-me, estou à espera”, escreveu no Twitter, um post que acabou por apagar.