Angela Merkel afirmou em Paris, numa cimeira que reuniu vários lideres dos Balcãs, que “nada mudou” face aos compromissos para a adesão à União Europeia de países desta zona da Europa. Além da chanceler alemã e de outros líderes europeus, também François Hollande, presidente francês, esteve presente no evento, que decorreu nesta segunda-feira em Paris, para discutir formas mais eficientes de prevenir extremistas de se infiltrarem nos grupos de migrantes que chegam à Península Balcânica.

A chanceler germânica afirmou que os Balcãs não necessitam de ter medo e que o Brexit não alterou em nada o processo de integração de novos membros na União Europeia. “Claro que têm de cumprir as condições para poderem avançar no processo de integração”, comentou a chanceler alemã. O presidente francês realçou a importância de “continuar a trabalhar para a estabilidade e segurança nos Balcãs.”

Os países dos Balcãs, representados na cimeira por líderes da Albânia, Bósnia-Herzegovina, Croácia, Eslovénia Kosovo, Macedónia, Montenegro e Sérvia, passaram, nos anos 1990, um período de conflitos militares e de crises políticas e têm receio de que a saída do Reino Unido da União Europeia possa dificultar os processos de entrada. A integração países balcânicos na UE é vista como uma peça chave para a estabilidade da região, sendo que países como a Sérvia, Montenegro ou a Albânia estão, atualmente, em diferentes fases do processo de adesão.

Texto editado por João Cândido da Silva