Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não há muitos como ele. Talvez ninguém. Afinal, quantos se podem orgulhar de ter descoberto dois vencedores da Bola de Ouro? Dois dos melhores do mundo no seu tempo — e provavelmente de sempre. Sim, talvez ninguém.

Aurélio Pereira é o “senhor formação” em Portugal e no Sporting. O “seu” Sporting, onde foi futebolista ainda menino, onde foi treinador de outros meninos como ele o foi um dia, e onde, há trinta anos, dirige o departamento de recrutamento do clube. O mesmo departamento que descobriu os tais Bola de Ouro, Luís Figo e Cristiano Ronaldo, mas que também descobriu Paulo Futre, Simão Sabrosa, Ricardo Quaresma, Nani e tantos, tantos mais.

Aurélio Pereira diz que não é um expert, que o Sporting só descobre quem descobre porque ele não trabalha sozinho, mas ninguém tem o “faro” que ele teve (e ainda tem, aos 68 anos) para “caçar” talentos. E formá-los depois. No Euro 2016, o Sporting tem quatro atletas: Rui Patrício, William, Adrien e João Mário. Mas formados no clube tem mais ainda: Cédric, José Fonte, João Moutinho, Ricardo Quaresma, Nani e Cristiano Ronaldo. Ao todo, com o cunho do clube e de Aurélio, são dez. E hão de ser mais, garante-nos, no futuro.

Em entrevista ao Observador, Aurélio Pereira, falou do “segredo” que há na descoberta de talentos. Mas também sobre o que distingue um futebolista talentoso, mas “mal aconselhado” e que não triunfa, de um futebolista com talento e que trabalha esse talento com suor — e chega onde só chegam os melhores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Desafiamo-lo ainda a falar, um por um, dos “meninos” que descobriu e amanhã podem sagrar-se campeões europeus em França. De cada um tem uma história e a todos trata com o carinho que só um pai (ainda que não os seja) tem por estes filhos de afeto.

Cristiano Ronaldo. Foi “carote”, mas Aurélio não se enganou muito

Eu gostava de falar um bocadinho consigo de cada um dos “sportinguistas” que estão no Euro. E das memórias que tem deles enquanto jovens. O Ronaldo é, ainda hoje, o maior talento que viu na formação? A verdade é que nunca o Sporting pagou tanto por um miúdo de apenas 12 anos…
Ainda me lembro de quando o vi a treinar pela primeira vez. Muitos miúdos que vêm treinar ao Sporting, e são da Madeira ou dos Açores, sofrem de uma certa insularidade, têm dificuldades em se adaptar e no dia seguinte a treinarem vão apanhar um avião de volta para casa. Com o Ronaldo não foi assim. Ele chegou a Lisboa com 12 anos, veio acompanhado por um padrinho, foi treinar com miúdos que até eram mais velhos do que ele, e todos, os colegas e os treinadores, ficaram boquiabertos. Era um líder. Ao fim de cinco minutos, já os tratava a todos por tu, por “miúdo”, dizia “ó miúdo, passa a bola”, “ó miúdo, tem calma”, e isso não é normal. O Ronaldo custou-nos cinco mil contos. Cinco mil. Mas eu sabia que tínhamos que avançar para a contratação dele logo naquela altura. Ele tinha que vir para o Sporting. Quando fui à administração, eles ficaram muito aflitos, o diretor financeiro perguntou-me se eu tinha a certeza de que ele valia tudo aquilo, e eu respondi-lhe: “O arriscado é não pagar, mas o senhor doutor é que sabe”, e saí. Ao fim de meia hora, recebi um recado: tinham aceitado pagar os cinco mil contos. E, sem querer ser pretensioso, acho que não me enganei muito.

Nunca em Portugal (até hoje) se pagou tanto por alguém tão novo quanto por Ronaldo (Créditos: NUNO GARUTI/Global Imagens)

Nunca em Portugal (até hoje) se pagou tanto por alguém tão novo [um infantil, de 12 anos] quanto por Ronaldo (Créditos: NUNO GARUTI/Global Imagens)

Ricardo Quaresma. Com “ovos estrelados” se educa o talento que vem da rua

E o Quaresma: como é que se domesticava tanto talento e tanta rebeldia? Quando digo “rebeldia”, não digo que é mau comportamento. Mas ele sempre foi, e é, um espírito livre, tanto no relvado como fora dele.
Aquilo era a rebeldia própria de quem é miúdo e veio de um bairro. Mas é uma “rebeldia” sadia. Se atirasses uma pedra ao Quaresma, ele atirava-te duas na volta. E os treinadores são muito importantes para educar essa rebeldia, mas sem a matar. Se o Quaresma quisesse um bife com batatas fritas e ovo estrelado ao almoço, o treinador não lhe podia dar somente o bife e as batatas. Porque ele reagiria mal. Está a perceber? É preciso saber lidar com os miúdos como o Quaresma. Ser coerente com eles. Educá-los. Mas aquelas diabruras todas que ele faz hoje com a bola, também as fazia, tal e qual, quando aqui chegou. As trivelas? Também, claro. Porque ele tinha um defeito: tinha os pés muito metidos para dentro e as pernas muito arqueadas. Ele chutava assim, de trivela, porque não sabia chutar de outra maneira. Aquilo é defeito de fabrico. [Risos] Mas é o melhor dos defeitos.

Nani. Chegou tarde por não ter autocarro, mas em boa hora veio

O Nani é um caso curioso: ele podia ter assinado pelo Sporting ainda nos iniciados, salvo erro, mas acabou por ser contratado apenas no primeiro ano de júnior…
Ele estagiou no Sporting quando tinha 10 anos. E o miúdo já tinha muita qualidade nessa altura. Mas não tinha transportes nem condições económicas para vir treinar todos os dias connosco. Mas atenção: ele teve uma boa formação no Real de Massamá. O Real é um clube fica ao lado de muitos bairros e os miúdos caem lá para treinar. Mais tarde, o Real veio jogar à Academia, um jogo de juvenis, e quando os nossos treinadores o viram, chamaram-me logo à atenção. Depois, foi só mandá-lo vir no ano seguinte. Era um talento enorme.

João Moutinho. Ter palmo e meio de altura e ser um atleta desmedido

O Moutinho chega cedo ao Sporting. Ele é de Portimão, mas vem viver com uns tios para o Barreiro, creio eu. É um caso, também ele, peculiar: por ser tão franzino e baixinho, demorou a impor-se. Foi suplente no Euro Sub-17 que Portugal venceu em Viseu, por exemplo. Mas mal o Peseiro o chamou aos seniores (ainda ele era júnior de segundo ano), nunca mais de lá saiu…
Vi o Moutinho pela primeira vez na Pontinha, num torneio do Cultural. Ele estava a representar a seleção do Algarve. Mais tarde soube que era filho do Nélson Moutinho, que foi treinado por mim numa seleção de iniciados, na primeira seleção de Lisboa que se criou, para participar num jogo contra a seleção do Porto, antes da final da Taça de Portugal. O Nélson era jogador do Benfica na altura. Mas ainda hoje tenho uma relação de amizade com ele. E fui eu que disse ao Nélson que o Sporting tinha interesse no João, isto numa altura em que o Porto também tinha interesse em contar com ele. Isso também facilitou a contratação, a amizade que eu tinha com o pai dele. Como ele era do Algarve, realmente ficou em casa de uns tios no Barreiro, e mais tarde viria viver para a Academia. O João, tal como disse, era muito franzino e baixo, mas como era um atleta a todos os níveis irrepreensível, sabíamos que se iria impor mais tarde ou mais cedo. E impôs-se.

José Fonte. O “pelo na venta” é coisa de sangue

Por falar em “impor”: porque é que o José Fonte não se afirmou no Sporting? Ele fez uma travessia no deserto, andou por clubes secundários em Portugal e em Inglaterra, mas hoje é um dos melhores centrais da Premier League…
O Fonte teve azar. Ele estava nos bês do Sporting quando a equipa secundária acabou. Mas sabia que o Fonte se iria impor no futebol, porque ele é feito de uma massa diferente dos outros. Fui treinador do pai dele, o Artur Fonte — um esquerdino, muito bom –, e quer o José, quer o irmão Rui [formado no Sporting e hoje no Benfica] tinham uma personalidade muito forte. Às vezes os futebolistas têm que lutar muito para ter o seu espaço. Têm que ter capacidade de superação face às adversidades. E o Fonte teve, nunca desistiu. Ele tem pelo na venta.

Adrien Silva. Mourinho queria-o em Londres, Aurélio não o deixou sair de Alcochete

Ainda se lembra quando o Ricardo Fernandes e o Fábio Ferreira assinaram pelo Chelsea? Foi por pouco que o Adrien também não foi, diz-se. O Mourinho queria-o…
O Adrien vem de uma família muito bem estruturada e foi isso que fez dele o que é hoje. O pai é diretor de uma grande empresa em Arcos de Valdevez e é um homem muito respeitado na região. O Adrien nasceu em Bordéus e veio para o Sporting quando a Academia abriu. Tinha 12 anos. E fez toda a formação na Academia. Quando o Mourinho foi para o Chelsea, o Chelsea era um clube que estava “na moda”, digamos assim. Mas também era um clube muito arrogante, muito mal conduzido na formação, e que levava miúdos para treinar a Londres sem a autorização dos clubes. E ofereciam-lhes rios de dinheiros para os aliciar. Isso não se faz. O Ricardo e o Fábio decidiram aceitar. O Adrien, não. Sentei-me com ele e com o pai na altura, conversámos e convenci-os a que o Adrien continuasse no Sporting. E pelos vistos, quer o Sporting, quer o Adrien, todos acertámos em cheio. Onde é que estão o Ricardo e o Fábio hoje? E onde é que está o Adrien? Ele é o nosso capitão. E é um capitão fantástico. Um profissional exemplar, dos pés à cabeça. O Sporting contribuiu para isso, mas a família foi essencial.

Cédric Soares. Aprender (ou quase) a andar no Sporting

O Cédric é um daqueles miúdos (tal como o Mané, por exemplo) que chegou ao Sporting ainda criança. Era muito novinho, não era? E até era médio, mas em boa altura o recuaram para lateral.
Os país do Cédric eram na altura emigrantes na Alemanha. E ele chegou cá com sete anos. O Cédric sempre foi um miúdo exemplar, aplicado nos treinos e na escola. Quanto à posição, é verdade que ele era médio, um médio-interior, mas também fez alguns jogos a lateral. Era bom em qualquer lado. Mas o exemplo do Cédric serve para muitos outros miúdos: o jogador não sai “acabado” da formação. Muitas adaptações resultam até quando são seniores. Se os treinadores percebem que eles podem ser melhores noutro lugar, e eles aceitam, isso só os vai beneficiar. É como na música: você estuda música e opta pelo piano. Mas se um dia vai tocar trompete e é um ótimo trompetista, muda. O Cédric é um ótimo “trompetista”.

João Mário. Ainda bem que mãe do “bolachudo” se mudou para o sul

O João Mário veio no mesmo “pacote” do irmão Wilson, não? Eles estavam no FC Porto…
[Risos] Mais ou menos. Mas o João, sendo na altura mais novo do que o Wilson, também era muito bom. Eles vieram para o Sporting trazidos pelo pai. Sentou-se comigo, disse-me que a mãe deles viria viver para Lisboa e queria que eles jogassem no Sporting. Nós já os conhecíamos, dos torneios na Pontinha e assim, e não tivemos dúvidas em contratá-los. O João Mário era muito bolachudo quando chegou. Ele nos infantis era central. Depois passou para “seis”, “oito”, “dez”. Quando se é assim tão bom, joga-se em qualquer lugar.

Rui Patrício. O Benfica ficou no rés-do-chão dos Marrazes (e Aurélio trouxe o “gigante” do 1º andar para Lisboa)

Dois dos "meninos" que Aurélio mais acarinha: Patrício e Adrien (Créditos: Jorge Carmona/Global Imagens)

Dois dos “meninos” de Aurélio Pereira que este mais acarinha: Patrício e Adrien (Créditos: Jorge Carmona/Global Imagens)

É verdade que a família do Patrício, toda ela benfiquista dos sete costados, não queria que ele saísse do Marrazes para Alcochete? Ele ainda andou uns tempos entre lá e cá.
Conhecíamos o Patrício há muito tempo, ainda ele era extremo esquerdo no Marrazes. Mas ele um dia, num treino, foi para a baliza. No primeiro jogo que fez como guarda-redes, o nosso olheiro em Leiria, o Artur Garret, viu-o, “gigante”, e ligou-me logo a dizer que era para contratar. Mas tivemos que nos sentar com os pais e com o clube para os convencer a que o Patrício viesse para o Sporting. Ainda me lembro: era meia-noite, estávamos a negociar com a direção do Marrazes no primeiro piso e os dirigentes do Benfica estavam no rés-do-chão à espera pela vez deles. A certa altura, um diretor do Marrazes, que até era do Benfica, disse que estava decidido e que ele viria mesmo para o Sporting. Admiro muito o Patrício: ele subiu na carreira, apesar de ser muito talentoso, com sangue e suor. Foi muitas vezes criticado — é fácil criticar um miúdo quando chega à primeira equipa do Sporting –, mas nunca se foi abaixo. Ele é fortíssimo emocionalmente desde miúdo: vinha duas vezes por semana de Leiria até Pina Manique só para treinar. Nós íamos buscá-lo ao expresso e voltávamos a levá-lo no fim, e lá voltava ele para casa no mesmo dia. Não é qualquer miúdo que aguenta isso. Depois, lá ingressou na Academia, quando teve idade para tal.

William Carvalho. Ter um padrinho como Nani é mais do que aliciante

Estou aqui a fazer contas e… falta-nos o William. Aposto que quando o foram buscar ao Mira Sintra, com 12 anos, já era um matulão, não?
Não tinha 12, tinha 14 anos. Mas com aquela idade, já jogava nos juvenis, com miúdos três anos mais velhos que ele. Certo dia, num jogo em Mira Sintra, contra o Sporting, marcou-nos dois golos e deu nas vistas. Eu estava na Madeira. Era um domingo. O olheiro ligou-me nesse mesmo dia a dizer-me que tínhamos que o ter e que o Benfica também o queria. Liguei logo para o William — ainda ele na carrinha do clube — depois do jogo. Apanhei um avião e no dia seguinte estava a reunir-me com o pai dele e com o clube. Como é que o convenci? Liguei para o Nani e pedi-lhe que apadrinhasse o William na Academia. O William ficou eufórico e aceitou logo. O Sporting só consegue encontrar estes miúdos, antecipar-se à concorrência, porque está atento e trabalha depressa e com seriedade.

E ele, quem é e foi Aurélio Pereira: “Ainda me sento no jardim só para ver os miúdos a jogar à bola”

No gabiente, em Alcochete, Aurélio Pereira guarda nas paredes recortes de jornal e fotografias de muitos dos futebolista que decobriu (Créditos:Iban Raïs/Centre de Formation des Journalistes)

No gabinete, em Alcochete, Aurélio Pereira guarda nas paredes recortes de jornal e fotografias de muitos dos futebolistas que descobriu (Créditos: Iban Raïs/CFJ)

Lembro-me de, numa entrevista, há muitos anos, o Aurélio dizer que, se estiver de carro e vir miúdos a treinar na rua, pára para ver se há lá algum “craque”. Ainda é assim?
Ainda é. É algo que me está na massa do sangue, não consigo mudar isso. Sabe, eu nasci e cresci num bairro [na Venda Nova, Amadora], e nesse tempo os miúdos jogavam na rua. E jogavam o dia inteiro. O [Jorge] Jesus também era de lá e também jogava. Hoje vivo no Lumiar, mesmo em frente à Quinta das Conchas, e aquele é um lugar fantástico para os miúdos estarem a jogar à bola. Quando eu era treinador no Sporting, e como a Quinta antigamente tinha relva, levava muitas vezes para lá os meus atletas. Hoje em dia, ao fim de semana, continuam os miúdos a ir para lá jogar, e para mim é um enorme prazer ir até lá, sentar-me e vê-los a jogar. E como muitos daqueles miúdos sabem quem eu sou, até se esforçam mais e fazem umas habilidades, uns “cabritos”, para me impressionar. [Risos] Eu gosto muito deste futebol de rua. E descobrem-se assim muitos talentos.

Depois de descobrir Futres e Figos e Ronaldos, o que é que ainda o motiva a continuar nessa descoberta constante?
O que me motiva a continuar é a paixão. Quando comecei a jogar futebol no Sporting, tinha 14 anos e tive treinadores que me marcaram muito: o Juca, o José Travassos. Eles não foram só jogadores fantásticos; foram também treinadores fantásticos. O senhor Travassos, por exemplo, tinha muita paciência para ensinar os miúdos. E às vezes os antigos futebolistas não têm essa paciência. Ele tinha. Isso é algo que o Sporting teve, tem e não perderá. É importante ter treinadores que percebam de tática, mas sobretudo que sejam aquilo a que chamo de treinadores “espirituais”, treinadores que consigam passar aos miúdos a paixão pelo jogo. As pessoas ficam muito admiradas quando digo que me levanto às nove da manhã e estou o dia todo, até à noite, a avaliar jogadores. E tenho 68 anos. Faço-o precisamente para que essa paixão continue a ser transmitida. É isso que me motiva: saber que há talentos para serem descobertos e treinados.

Dois vencedores da Bola de Outo e o homem que os trouxe para o Sporting quando começaram a reluzir (Créditos: D.R.)

Dois vencedores da Bola de Outo e o homem que os trouxe para o Sporting quando começaram a “reluzir” (Créditos: D.R.)

A formação mudou muito, digo eu, nos últimos anos. O FC Porto e o Benfica sempre formaram bons futebolistas, mas o Sporting formou sempre mais – é só olhar para a Seleção que está no Euro. Mas a verdade é que hoje, tanto o Benfica como o FC Porto estão a investir cada vez mais na formação. E falo de investimento financeiro: nas condições de treino, no recrutamento. Por isso é que surgiu o Renato, o Rúben Neves, etc. O que é que destinge o Sporting, a formação do Sporting, das outras?
Até há alguns anos, dizia-se do Sporting que só apostava na formação porque não tinha dinheiro para contratar jogadores caros. Enquanto isso, os nossos concorrentes gastavam fortunas nesses “jogadores caros”. Mas não é verdade que o Sporting só apostasse por esse motivo. O Sporting apostava porque tem um visão diferente do futebol. O nosso recrutamento faz este ano trinta anos desde que foi criado. E foi o primeiro recrutamento, organizado, com cabeça, tronco e membros em Portugal. Mas é normal que hoje, passados tantos anos, os adversários, vendo o sucesso que tivemos, também invistam no recrutamento e na formação. E ainda bem que é assim: ganha a Seleção e os miúdos. Mas isso também me satisfaz, pessoalmente, porque percebemos que tínhamos razão e que o recrutamento é importante. Hoje não precisamos de comprar jogadores caros. Uma parte do plantel do Sporting é hoje formado no Sporting. E quanto não nos custaria hoje ter que ir contratar um Adrien, um William ou um João Mário, entre outros? Esta é a nossa cultura: formar. E não abdicamos disso. Quando o Jesualdo [Ferreira] aqui chegou — e ele tinha um plantel com internacionais, caros –, olhou para a formação e disse que tinha uma mina de ouro nas mãos. E começou a apostar no Dier, no Bruma…

O que é que é mais importante para si, o homem que se vai formar, ou o futebolista que tem um talento acima da média? Se for muito o talento, mas o o homem for “desregrado”, serve ao Sporting?
Não serve, claro que não serve. O que nós procuramos é, paralelamente, desenvolver o talento dos miúdos, mas dar-lhes também as ferramentas para que cresçam bem. Eles não podem ter só “bola” na cabeça. A cultura é fundamental. A cultura é a maior riqueza que um homem pode ter. Costumo dizer ao miúdos: eles até podem ter uma vida difícil, crescer numa barraca, podem ser pobres, mas se estudarem e forem cultos, têm lugar em qualquer palácio. Não formamos só futebolistas; formamos homens e futebolistas.

O Aurélio não trabalha sozinho. Certamente que tem, desde sempre, olheiros de norte a sul, que lhe enviam relatórios às centenas (ou mais) por ano. A última palavra é sempre sua, quer ser ver o jogador a treinar, ou confia cegamente nos seus olheiros?
O recrutamento do Sporting não é o Aurélio Pereira. Nunca foi. O recrutamento do Sporting é toda uma estrutura, organizada, com olheiros, treinadores, diretores da formação, e cada um sabe qual é o seu papel. Os olheiros, o que fazem é assistir a jogos e aconselhar-me jogadores para o Sporting. É raro eles aconselharem um jogador e eu não concordar que é uma mais-valia. Mas uma coisa é certa: nenhum futebolista foi contratado para a formação sem um relatório. Às vezes até mais do que um. Não é uma contratação “às cegas”. Tudo tem que estar documentado por escrito. Mas eu não sou nenhum expert, não tenho a pretensão de adivinhar quem é que vai ser um “Ronaldo”, não me sento à porta da Academia e digo que aquele vai ser bom e aquele não. Isto é um trabalho de muitos. Só assim é que podemos ter sucesso.

Sei que não gosta de individualizar. Mas houve futebolistas em quem depositou muita confiança, que tinha a certeza que iam ser fora-de-série e que depois não se afirmaram no escalão sénior? Lembro-me do Hugo Machado, que era muito talentoso. Sempre se falou muito do Fábio Paim, do Diogo Rosado, do Bruno Filipe, do Paulo Sérgio. Não individualizando, o que é que um futebolista precisa para transpor o talento que demonstra na formação para um patamar sénior? É sorte? Não pode ser sorte…
Não é sorte. Há muitos fatores que definem o sucesso e o insucesso. Há jogadores que são descobertos no Brasil com 16 anos, que chegam à Europa rotulados de “Ronaldos” e “Kakás”, e onde é que eles estão hoje? Ninguém sabe. As famílias, o ambiente familiar à volta do jogadores, pode contribuir muito para o seu sucesso ou insucesso. A preparação desportiva — dentro e fora do relvado –, a aplicação nos estudos, o próprio caráter com que se lida com as adversidades, tudo isso contribui para o sucesso. O que contribui para o insucesso são muitas vezes as más companhias. Que até podem ser os pais ou os empresários; os pais porque querem que os filhos sejam futebolistas à força, e os empresários porque lhes prometem mundos e fundos quando eles ainda só têm 17 ou 18 anos. E às vezes menos idade. Há pouco tempo li um artigo num jornal inglês que dizia que muitos dos futebolistas que assinaram contratos cedo demais e que depois não se afirmaram, acabaram por cair nos vícios, no álcool, nas drogas. Todos nós, clubes, treinadores, pais ou empresários, temos que ter muito cuidado com aquilo que transmitimos aos miúdos. A formação não termina aos 18 anos; a formação dura a vida toda.

Voltemos a falar do Euro. Certamente que acompanhou os jogos todos de Portugal. É um orgulho para si ver tantos futebolistas formados do Sporting a chegar à final?
Tive a felicidade de ter formado dois jogadores que foram eleitos os melhores do mundo, o Figo e o Ronaldo. Mas nem sempre podemos formar “Figos” e “Ronaldos”. Conhece alguém igual ao Ronaldo? Não há. Esses só aparecem de vez em quando. Mas do que o Sporting se pode orgulhar é de não ser obcecado em formar o melhor dos melhores, mas de se preocupar em formar jogadores que tenha paixão pelo jogo, pelo treino, pela profissão. Todos os jogadores que foram formados no Sporting e estão hoje na seleção, têm essas três qualidades. Só por isso é que lá estão. E isso é um orgulho, claro.

Última pergunta: nos próximos anos, vai continuar a ser o Sporting a alimentar a Seleção? Vi aquele último jogo dos juvenis contra o Braga, o do título, e há ali matéria-prima muito, muito boa. O Luís Maximiano é um “Patrício”; o Tiago Djaló um central tão maduro e fisicamente evoluído; o Daniel Bragança e o Miguel Luís têm uns pés como não há no meio-campo; e o Elves Baldé é um “foguete” em direção à baliza…
É verdade. O Sporting tem uma equipa de Sub-17 com um potencial enorme. Não estou a criticar, até porque respeito muito o trabalho que a Federação faz: mas se você olhar para a Seleção que venceu o Euro Sub-17 este ano, os jogadores do Sporting nem foram dos mais utilizados. E muitos desses miúdos que citou nem estavam lá. Isto explica-se porque os miúdos não têm todos o mesmo ritmo de maturação. Eles vão aparecer, na altura certa. E o Sporting dá-lhes tempo para crescerem. Se olharmos para um atleta quando a época começa e quando ele acaba, não é o mesmo no final. Este é nosso conceito: primeiro está o potencial e a matuação, depois o rendimento desportivo. E realmente aquela equipa tem muito talento para o futuro, não tenho dúvida.

Aurélio Pereira está à esquerda de Bruno de Carvalho. Mas o presidente do Sporting sabe: a formação é o "braço direito" do clube (Créditos: Pedro Rocha/GLOBAL IMAGENS)

Aurélio Pereira está à esquerda de Bruno de Carvalho. Mas o presidente do Sporting é o primeiro a assumir: a formação é o “braço direito” do clube (Créditos: Pedro Rocha/GLOBAL IMAGENS)

E a final de domingo, é nossa? Depois de 2004, é desta que é nossa?
Dizem que a França é favorita. Mas no futebol a questão do favoritismo esgota-se em segundos. Não sei de que matéria humana é feita a seleção da França. Mas sei de que matéria é feita a nossa e de que matéria são feitos os jogadores formados connosco. E todos eles têm personalidade, sabem lidar com a ansiedade de jogar uma final como esta. A imprensa em França tem-nos pisado os calos, como se costuma dizer. E se é verdade que nós lidamos mal com os elogios e amolecemos, quando nos pisam os calos, transcendemo-nos. Digo sempre: façam-nos tudo, só não nos mexam com o orgulho. E eles mexeram. Acho que, também por isso, pelas críticas, é possível vencer. E vamos vencer.