O piloto do avião da Malaysia Airlines que se despenhou em março de 2014, quando fazia a ligação entre Kuala Lumpur (Malásia) e Pequim (China), poderá ter planeado o desvio da rota, menos de um mês antes do voo. A possibilidade é admitida por um documento do FBI revelado pela revista New York.

Zaharie Ahmad Shah tinha em casa um simulador de voo, no qual foram encontrados registos de que tinha sido lá planeada uma rota que sobrevoava o Oceano Índico — onde o MH370 foi detetado pela última vez. A passagem por cima do Oceano Índico não fazia parte da rota original entre Kuala Lumpur e Pequim.

A agência australiana criada para coordenar a investigação do acidente confirmou ao jornal britânico The Guardian que “o simulador de voo do capitão do MH370 mostrou que alguém tinha traçado uma rota para o sul do Oceano Índico“.

As autoridades da Malásia, por seu turno, rejeitaram estas informações. “Nunca entregámos tal relatório a qualquer autoridade estrangeira, incluindo o FBI. Esse relatório não é verdadeiro“, afirmou ao The Malay Mail o chefe nacional da polícia malaia, Khalid Abu Bakar. No entanto, como lembra o The Guardian, as mesmas autoridades da Malásia confirmaram, na altura do desaparecimento do avião, estar a colaborar com o FBI na análise da informação dos simuladores.

Um comunicado da agência australiana, que está a conduzir a investigação, explica que “a informação do simulador apenas mostra a possibilidade de planeamento”, não revelando, contudo, “o que aconteceu na noite do desaparecimento, nem a localização da aeronave”.

As informações contradizem o que as autoridades da Malásia tinham avançado antes — que não tinha sido descoberta qualquer rota no simulador de voo do piloto.

Em dois anos, já foram efetuadas buscas numa área de cerca de 120 mil quilómetros quadrados. As autoridades da Malásia, Austrália e China, que têm sido responsáveis pelas buscas, já concordaram em suspender a procura se não forem encontrados destroços na zona delimitada para a localização provável do avião.

No Boeing 777, desaparecido desde 8 de março de 2014, seguiam 239 pessoas.