Escravatura

Dois séculos depois, Universidade de Georgetown quer redimir-se do que fez aos escravos

Em 1838, os dois reitores da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, venderam 272 escravos para pagar dívidas. Agora a instituição prepara um conjunto de medidas para pedir desculpa.

Em 1838, os dois reitores da Universidade de Georgetown venderam 272 escravos para pagar dívidas da instituição

MLADEN ANTONOV/AFP/Getty Images

A Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, vai conceder um estatuto especial aos descendentes de escravos que queiram lá estudar. O anúncio foi feito, esta quinta-feira, pelo reitor John J. DeGioia e faz parte de um conjunto de medidas que vão ser adotadas pela instituição em jeito de redenção, de acordo com o jornal The New York Times. Para entender o significado deste anúncio é preciso recuar quase dois séculos.

Em 1838, os dois primeiros reitores da Universidade de Georgetown, ambos padres jesuítas, venderam 272 escravos de Maryland, tendo arrecadado o equivalente a 3,3 milhões de dólares nos dias de hoje (2,9 milhões de euros) e com parte desse dinheiro pagaram dívidas daquela que era a principal instituição católica de ensino superior à época, que enfrentava um momento financeiro difícil.

Este passado deixou uma mancha na instituição, que se vê (e sente) até hoje, e o reitor da Universidade de Georgetown, que definiu este assunto como prioritário, anunciou agora um conjunto de medidas baseadas nas recomendações de um grupo trabalho criado no ano passado para avaliar a questão da escravatura, da memória e da reconciliação.

Além do estatuto especial para os descendentes dos escravos, tal como aquele que é oferecido aos filhos e netos de ex-alunos da instituição, o reitor planeia ainda formalizar um pedido de desculpas e criar um instituto para o estudo da escravidão, bem como erguer um memorial aos escravos dos quais dependeu a universidade.

Além disso, está nos planos do reitor rebatizar dois edifícios do campus (o Freedom Hall e o Remembrance Hall), uma para o nome de um africano-americano escravizado e outro para um educador africano-americano que pertencia a uma ordem religiosa católica.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escravatura

Fernando Rosas não entende o Marquês de Pombal

João Pedro Marques
698

Ao contrário do que diz Fernando Rosas, Portugal foi por intermédio do Marquês de Pombal o primeiro país ocidental a avançar no sentido da abolição e fê-lo por razões de ordem prática e de civilização

Escravatura

Lusotropicalismo ao contrário

João Pedro Marques
289

O Império Português em África não foi uma excepção no tristíssimo capítulo do trabalho coercivo, não obstante o que Fernanda Câncio e outros “lusotropicalistas ao contrário” nos querem fazer crer. 

Escravatura

Só 4% dos navios negreiros partiram de Portugal

João Pedro Marques
1.432

Dos séculos XVI a XIX, 37% das viagens de navios negreiros iniciaram-se no Brasil, 31% na Grã-Bretanha, 13% em França, 5% na Holanda, outros 5% nas Caraíbas e que só menos de 4% partiram de Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)