Algumas cidades e províncias da China estão a considerar a criação de um período de férias, exclusivamente para que os trabalhadores possam passar mais tempo com os seus pais, noticiou esta quinta-feira a agência oficial Xinhua.

Mais de três décadas da política de filho único e a migração de milhões de jovens rurais da cidade para o campo fizeram aumentar a incidência do abandono de idosos na China.

O país mais populoso do planeta, com cerca de 1.375 milhões de habitantes, tem quase 200 milhões de pessoas com mais de 60 anos.

O município de Pequim propôs que as empresas concedam dias livres aos funcionários, quando os pais destes celebram o aniversário, precisam de assistência médica ou estão gravemente doentes.

Outras províncias chinesas garantem um período de 20 dias, todos os anos, para tratar dos pais, quando estes têm mais de 60 anos e se encontram hospitalizados.

Em 2013, a China aprovou uma lei que obriga os filhos adultos, independentemente da idade, a visitarem os pais idosos.

A infração daquela lei, que não estipula um número mínimo de visitas, pode resultar em multa ou até mesmo prisão.