Quando pensa em hidratação de pele, o que é que lhe vem imediatamente à cabeça? A pele do rosto? É natural. A grande preocupação das mulheres acaba por ser a prevenção do envelhecimento, as manchas e o cuidado geral com o rosto. Daí que os cinco minutos que dedicamos todas as manhãs a cuidar de nós acabem por ser somente focados do pescoço para cima. Mas, na verdade, quando falamos de envelhecimento da pele, estamos a referir-nos ao corpo todo (e não apenas aos cotovelos e joelhos).

Embora seja no verão, quando andamos de pernas ao ar, que nos preocupemos mais com esta questão, é depois do calor que a pele mais precisa de hidratação porque:

  1. a exposição agressiva ao sol seca a pele;
  2. a pele seca torna-se mais flácida e, sim, isso também acontece nas pernas ou nos braços e
  3. nas estações frias, que estão já aí à porta, a pele tende a secar, a perder a humidade e, em casos mais agressivos, a ressecar e a rachar.

Se tem por hábito sair do banho e vestir-se imediatamente — ou porque está frio ou porque não tem tempo a perder — está a descuidar uma parte muito importante da sua rotina.

A hidratação de corpo

Tal como, quando chega a casa, se desmaquilha e limpa o rosto, a rotina de aplicar hidratante no corpo tem de ser adicionada ao seu dia-a-dia. Não pontualmente, mas diariamente. A pele seca leva a comichão, vermelhidão e descamação, além de ficar áspera e desidratada. Além disso, há pessoas que simplesmente não conseguem produzir óleo suficiente para manter a pele nutrida e, por isso, precisam obrigatoriamente de aplicar hidratantes de corpo de forma a equilibrar os níveis de hidratação.

Cremes, loções, leites ou óleos?

Na verdade, os hidratantes de corpo são praticamente todos iguais, uma vez que atuam da mesma forma: hidratar. A diferença está nos ingredientes e texturas que podem responder a necessidades específicas. De forma simples, há vários tipos de cosméticos: Os umectantes ajudam a pele a manter a sua humidade natural, os protetores criam uma espécie de barreira, os emolientes amaciam e suavizam e os oclusivos selam a humidade. Pode parecer confuso mas a maioria dos produtos combina todas estas substâncias, por isso, a escolha recai sempre na textura.

  • Cremes. São mais gordos e pesados, o que significa que criam uma maior barreira que impede a perda de humidade. São os melhores para quem tem pele seca ou muito seca, para as zonas mais desidratadas (joelhos e covotelos, por exemplo) e para as estações mais frias em que há pouca humidade no ar.
  • Loções. São uma mistura de água e óleo, facilmente absorvidos pela pele e, por não terem tanta viscosidade como os cremes, são mais confortáveis nas zonas do corpo em que temos mais pelos, como os braços ou o peito (no caso dos homens). Apesar de serem um produto leve, ajudam na pele seca porque consegue reter a água e evitar que a pele resseque. São um bom hidratante para usar durante o verão, dada a sua absorção rápida sem deixar vestígios.
  • Leites. São líquidos e de alta absorção, sendo, por isso, recomendados para quem não tem muito tempo e gosta de aplicar o hidratante e vestir-se imediatamente. Por serem muito leves, não vão ter grandes efeitos em quem tem pele extremamente seca (nesse caso tem mesmo de apostar num creme ou numa loção) mas são um excelente hidratante diário para prevenir a secura. Quase como um amigo do dia-a-dia.
  • Óleos. Há especialistas que defendem que o uso de óleo corporal durante o verão vai evitar o ressecamento e desidratação da pele. Outros argumentam que são melhores para usar no inverno porque ao ficarem selados na pele, têm um efeito mais duradouro, protegem melhor e, por não serem frios como os cremes, são mais confortáveis de aplicar nas temperaturas frias. No entanto, os óleos apenas impedem a perda de água, não repõem a hidratação. Quem tem pele seca tem obrigatoriamente de usar um creme.

Na fotogaleria, em cima, veja as nossas sugestões de cremes, loções, leites e óleos para diferentes necessidades da pele do corpo.