É a mais recente polémica de Donald Trump. Num discurso esta quinta-feira em Reno, no Nevada, o candidato republicano à Casa Branca apelou ao voto de doentes terminais, dizendo não querer saber se as pessoas estavam doentes ou se tinham apenas duas semanas de perspetivas de vida, desde que se aguentassem até dia 8 de novembro e fossem votar.

“Não quero saber se vieram do médico e ele vos deu a pior notícia possível, aguentem-se até dia 8 de novembro, saiam e vão votar”, disse, numa declaração já muito contestada.

“Não quero saber o quão doentes estão”, afirmou Trump. “Não me importa que tenham acabado de voltar do médico e que ele vos tenha dado o pior prognóstico possível. Mesmo que achem que só vão durar mais duas semanas. Não importa. Aguentem-se até ao dia oito de novembro, saiam e vão votar”, disse, Trump, afirmando depois que disse em tom de brincadeira mas que estava “a falar a sério”.

As sondagem continuam a indicar uma quebra de popularidade do candidato republicano, especialmente desde o último debate presidencial. A última sondagem da Reuters/Ipsos, divulgada na quarta-feira, dava conta de que a candidata democrata Hillary Clinton se encontra já a seis pontos percentuais acima do candidato republicano. O próximo debate presidencial entre Clinton e Trump realiza-se na madrugada de domingo para segunda.