A Nova Zelândia aprovou em 1985 uma lei que declara o país como zona desnuclearizada e proíbe a entrada de barcos suspeitos de transportarem armas nucleares ou de propulsados por energia atómica.

O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, indicou que o navio Sampson, um contratorpedeiro norte-americano de classe Arleigh Burke, vai participar nas iniciativas de celebração do 75.º aniversário da Armada Real Neozelandesa, que vai ter lugar entre 17 e 22 de novembro.

“Concedi esta autorização após considerar, com muito cuidado, os conselhos do Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Comércio”, disse o primeiro-ministro em comunicado.

Os Estados não enviam nenhum barco para a Nova Zelândia desde 1983 por recusar declarar se transportam armas nucleares ou se são propulsados por energia atómica, tal como obriga a lei aprovada pelo governo trabalhista neozelandês naquela altura.

A decisão custou então à Nova Zelândia a saída da aliança ANZUS, firmado com a Austrália e os Estados Unidos 50 anos antes, e que especificava que um ataque contra qualquer dos signatários seria interpretado com uma agressão contra todos.