567kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Frota russa quer fazer escala técnica em Espanha. NATO preocupada com utilização dos navios

Este artigo tem mais de 5 anos

Frota de guerra russa que passou em águas portuguesas prepara-se para fazer escala em Espanha. NATO expressa preocupação com a utilização dos navios e o governo espanhol já está a rever a autorização.

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel criticou António Costa e o seu ministro da Defesa por terem uma "posição russófila"
i

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel criticou António Costa e o seu ministro da Defesa por terem uma "posição russófila"

Getty Images

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel criticou António Costa e o seu ministro da Defesa por terem uma "posição russófila"

Getty Images

Depois de o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, ter desdramatizado a passagem de uma frota naval russa na zona económica exclusiva portuguesa, as críticas internacionais voltam-se agora para Espanha, que se estará a preparar para permitir uma paragem técnica da frota em Ceuta, para reabastecimento. A grande preocupação das organizações internacionais, especialmente da NATO, é com a possível participação de um porta-aviões russo presente nessa frota nos ataques aéreos em Alepo, na Síria.

“Estamos preocupados, e expressámo-lo claramente, com o potencial uso daquela frota para aumentar os raides aéreos contra civis em Alepo”, explicou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg. No entanto, o responsável sublinhou que “cabe a cada nação decidir se estas embarcações podem obter provisões e combustível nos diferentes portos ao longo da rota até ao Mediterrâneo oriental”.

De acordo com a imprensa espanhola, a frota russa fez um pedido a Espanha para fazer uma escala em Ceuta, ainda durante a manhã desta quarta-feira. A autorização foi concedida, mas o Ministério dos Assuntos Exteriores do país veio depois anunciar que está a analisar os pedidos russos, depois de a NATO ter expressado a preocupação com a utilização do porta-aviões e dos navios. “As últimas escalas solicitadas estão a ser revistas neste momento, em função da informação que estamos a receber dos nossos aliados e das próprias autoridades russas”, sublinhou um porta-voz daquele ministério, citado pelo El País.

Numa reunião de ministros da Defesa da coligação internacional que combate o Estado Islâmico, realizada em Paris, o ministro da Defesa espanhol, Pedro Morenés, garantiu que o país vai pedir explicações à Rússia sobre “o propósito e o destino” dos navios.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A frota, de oito navios e liderada pelo porta-aviões ‘Almirante Kuznetsov’, partiu há dias do porto russo de Severomorsk, no Oceano Ártico e contornou a península Escandinava. Na semana passada, a frota passou no canal da Mancha, pelo Estreito de Dover, e foi acompanhada de perto por embarcações da Marinha Real Britânica. Agora, à entrada do Mediterrâneo, a frota quer parar em Ceuta para a escala técnica.

A possibilidade de esta escala acontecer está a motivar muitas críticas à atitude de Espanha. O antigo primeiro-ministro belga, atual representante da União Europeia nas negociações do Brexit, Guy Verhofstadt, diz que “é escandaloso que Espanha, um membro da NATO e da UE, permita que a frota russa Kuznetsov reabasteça e receba assistência técnica em território espanhol”. Verhofstadt lembra que na semana passada “este governo espanhol assinou uma declaração no Conselho Europeu a acusar a Rússia de crimes de guerra contra civis em Alepo, mas hoje dá apoio a uma frota que só tem um propósito: a aniquilação de Alepo e a perseguição das forças da UE e da NATO”.

Paulo Rangel crítica ministro da Defesa

Antes, a frota passou por águas portuguesas. Durante a passagem dos navios na zona económica exclusiva portuguesa, a frota foi vigiada de perto por uma fragata da Marinha Portuguesa e por um avião C-3. A Marinha divulgou através do Facebook imagens do porta-aviões russo nas águas portuguesas, com uma legenda, escrita em russo: “No alto mar estamos sempre vigilantes”.

O ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, preferiu desdramatizar a situação. “Não tenho e ninguém tem, tanto quanto sei, qualquer elemento que lhe permita dizer que é uma situação de gravidade particular. Poderá tratar-se, e espero que não seja mais do que isso, de uma forma de demonstração naval como tantas que conhecemos no passado”, disse o ministro aos jornalistas. Azeredo Lopes admitiu que “a presença de forças navais de forma não prevista ou não habitual, como aquilo que estamos agora a assistir, é algo que inevitavelmente suscita especulação, suscita perguntas, e deve ser olhada com a máxima atenção”.

As palavras de Azeredo Lopes mereceram críticas do eurodeputado social-democrata Paulo Rangel, que escreveu, num artigo de opinião no Público, que “as declarações complacentes do Ministro da Defesa, a propósito da passagem da frota naval russa na zona económica exclusiva, parecem corroborar aquela postura “russófila” de António Costa”.

Rangel referia-se à “posição do primeiro-ministro e do Governo português”. Para o eurodeputado, é “intrigante a posição portuguesa contra o agravamento das sanções; mas é totalmente inaceitável a ideia de favorecer o fim das sanções passando a uma política de ‘diálogo e cooperação'”. Paulo Rangel vai ainda mais longe, comparando a postura do Governo às “conceções de Donald Trump, amplamente hostis à NATO e ao seu papel”.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.