A fazer fé em informações avançadas pelo diário japonês Nikkei, a Toyota está a reunir uma equipa de engenheiros que, já a partir do início de 2017, terá como principal função desenvolver novos modelos eléctricos com elevada autonomia. Modelos estes que se destinam à produção em massa, deverão estar prontos a ser lançados no mercado já em 2020 e oferecer uma autonomia real na casa dos 300 km. Com as baterias de iões de lítio a serem, muito provavelmente, produzidas pela própria Toyota.

Tal passo, a confirmar-se, representará uma acentuada inflexão da estratégia do fabricante nipónico nesta matéria, uma vez que a Toyota sempre encarou este tipo de proposta como uma solução para curtas distâncias, devido aos elevados custos das baterias e aos seus longos períodos de recarga. Antes apostando na promoção das motorizações híbridas plug-in e a fuel-cells (casos dos novos Prius Plug-in e do Mirai) como alternativa aos motores convencionais para cumprir distâncias mais longas.

Segundo o mesmo jornal, o primeiro eléctrico de autonomia alargada da Toyota deverá começar a ser vendido em 2020 no Japão, assim como noutros mercados que apostam forte na promoção deste género de proposta, como a China e a Califórnia. Mas tal não impede que estes sejam modelos com ambições globais, destinados a ser comercializados em todos os cantos do globo, até porque a Toyota mantém o seu objectivo de, a partir de 2050, apenas contar na sua oferta com modelos isentos de emissões poluentes.