Sucedendo ao Insignia da primeira geração, eleito Carro do Ano em 2009 e do qual foram vendidas mais de 900 mil unidades, o novo Insignia Grand Sport muda por completo, como já aqui tínhamos antecipado. A estreia mundial do topo de gama da Opel está agendada para o próximo mês de Março, no Salão de Genebra, mas revelamos-lhe já tudo o que precisa de saber. Ponto por ponto.

1) Revolução estética

Face ao modelo que vem substituir, a Opel mudou por completo de estratégia. O que se saúda. Enquanto o Insignia estava desenhado para parecer pequeno e tinha uma imagem muito arredondada, o Grand Sport rompe por completo com essa estética. É certo que mantém o comprimento inalterado, mas a verdade é que todo ele exala agora dinamismo – uma virtude que se deve ao facto de se ter inspirado no protótipo Monza Concept, cujas linhas foram largamente elogiadas, à data da sua apresentação.

Na frente, destaque para a grelha num plano mais baixo, para sublinhar a imagem de robustez do modelo – ideia que é também reforçada pela proeminência da grelha associada a faróis mais esguios.

Mais uma vez evocando o Monza Concept, os painéis de portas são moldados com formas bastante vincadas, enquanto a linha do tejadilho parece “empurrar o automóvel para baixo” e alongá-lo.

Na secção traseira, os designers do fabricante alemão preferiram não enveredar por grandes devaneios, e fizeram muito bem. O resultado é uma imagem marcadamente high-tech, graças a linhas simples que colocam em evidência os grupos ópticos, cuja assinatura de “dupla asa” contribui para reforçar a aparência de largura. A luz central de travagem surge integrada na linha limite do tejadilho.

Mas o melhor de tudo isto é que, no conjunto, o saldo é duplamente positivo: a estética agrada muito mais do que a do anterior Insignia, com a vantagem de permitir ao Insignia Grand Sport reclamar um coeficiente aerodinâmico de 0,26, o que converte o novo topo de gama da Opel num dos automóveis mais aerodinâmicos de sempre nesta classe de veículos. Ou seja, o Grand Sport é exactamente aquilo que parece: mais dinâmico.

2) Arquitectura completamente nova

Mantendo o comprimento total praticamente inalterado face ao anterior Insignia, a nova geração é mais baixa 29 mm, com as vias aumentadas em 11 mm. Por outro lado, a distância entre eixos cresce 92 mm, o que desde logo antecipa um habitáculo mais espaçoso.

Além das proporções inéditas, que lhe conferem um certo ar de coupé, o Insignia Grand Sport faz uma dieta de cerca de 60 kg só na carroçaria. Sendo que “mais leve” significa necessariamente melhor, em termos de consumo e de desempenho. Dependendo das versões, no limite, o novo Insignia pesa até menos 175 kg por comparação com o actual.

3) Dois novos motores a gasolina e uma nova caixa automática de oito velocidades

O Insignia Grand Sport vai disponibilizar uma gama alargada de motorizações a gasolina e a gasóleo, todas com turbocompressor. A diesel, as gamas de potência situam-se entre os 110 e os 170 cv, ao passo que a gasolina estão entre os 140 e os 250 cv, sendo neste caso de destacar dois novos blocos.

Aquele que será mais interessante é, sem dúvida, o novo 1.5 Turbo com 165 cv e 250 Nm de binário. Usufruindo de injecção directa, por ter e cabeça e bloco em alumínio consegue pesar menos 16 kg que o actual 1.6 Turbo (170 cv), sendo que terá acoplada uma caixa manual de seis relações nova, mais leve que a anterior.

A outra das novidades a gasolina é o mais assanhado 2.0 Turbo de 250 cv e 400 Nm de binário, com injecção directa e turbocompressor de dupla entrada. Bloco que, além da transmissão manual de seis velocidades, terá em opção a nova caixa automática de oito relações. Segundo a Opel, esta nova transmissão foi optimizada do ponto de vista do atrito e permite que as passagens de caixa se processem de forma quase imperceptível, e com relações mais curtas. Na fase inicial de lançamento, vai estar disponível em conjugação com tracção integral. E também aqui há importantes novidades.

4) Bem-comportado dentro e fora de estrada

Uma das notas mais relevantes do Insignia Grand Sport prende-se com o facto de o modelo estrear um sistema de tracção integral “inteligente”, sendo que no lugar de um diferencial convencional, o eixo traseiro possui duas embraiagens multidiscos controladas com comandos eléctricos. E, pela primeira vez num Opel, o sistema de tracção às quatro rodas possui vectorização de binário, o que se traduz numa substancial melhoria da eficiência em curva, sobretudo em piso escorregadio, com o sistema a reagir em fracções de segundo à posição do acelerador e a receber continuamente informação sobre a posição do volante, dados mediante os quais faz variar o binário que é transmitido a cada roda do eixo posterior.

A eficácia do novo topo de gama germânico beneficia ainda de melhorias no sistema FlexRide, com a pressão dos amortecedores, a assistência da direcção, o curso do acelerador e os pontos de troca de velocidades (nas transmissões automáticas) a poderem ser ajustados, bastando para tal o condutor escolher um dos três modos de funcionamento – Standard, Sport e Tour.

5) Reforço da sofisticação

Tal como já tínhamos avançado, o Insignia Grand Sport estreia a nova geração de faróis IntelliLux LED, em que o número de segmentos de LED duplica, por comparação com o sistema do Astra. São agora 32 segmentos que permitem obter uma ainda maior precisão na reacção dos diferentes padrões de luz ao tráfego. Não só as transições entre os vários modos passam a ser mais suaves, como a intensidade e a qualidade da distribuição da luz evoluem consideravelmente. Mas há mais: a nova função spotlight é capaz de projectar luz até 400 metros de distância e a intensidade dos LED do lado de dentro da curva é agora definida de acordo com o ângulo da direcção, o que se agradece quando temos pela frente percursos sinuosos.

O leque de argumentos da nova geração Insignia, em matéria de segurança e conforto, não se esgota aqui. Destaque para a integração de sistemas como o alerta de saída de faixa com correcção autónoma da direcção, para o head-up display a projectar informação no pára-brisas e para o sistema 360º, que combina quatro câmaras para fornecer ao condutor imagens de todos os ângulos, pelo que já não há desculpas para demorar muito tempo a estacionar. Também em matéria de visibilidade, logo incrementando a segurança, é de referir o pára-brisas aquecido. E até os peões passam a estar mais seguros, já que o Insignia Grand Sport integra, pela primeira vez num Opel, um capot activo em alumínio.

A par de tudo isto, a Opel continua a ser dos poucos fabricantes que oferecem bancos certificados pela agência alemã de especialistas em ergonomia AGR, com aquecimento disponível em quatro lugares. Ou seja, quem vai lá atrás também não foi esquecido.

6) Sempre ligado. Um carro com reserva de hotel incluída

Na linha do que a marca tem implementado nos seus produtos mais recentes, a conectividade é um dos pontos fortes do novo topo de gama, que não só continua a contar com as funcionalidades do IntelliLink, como vê o OnStar ampliar o seu leque de serviços, que já incluía a resposta automática em caso de acidente e a localização e bloqueio do veículo em situação de furto. Assim, além de proporcionar um hotspot Wi-Fi 4G para ligação até sete dispositivos à Internet, na nova geração Insignia, o OnStar oferece aos utilizadores a possibilidade de solicitarem a selecção de hotéis e a respectiva reserva aos operadores do centro de operações OnStar.

7) Mais espaço para quem segue a bordo

Tal como o exterior, o interior inspira-se no protótipo Monza. Em evidência surge um grande ecrã táctil, colocado no topo da consola central, a partir do qual é possível comandar o sistema de infoentretenimento IntelliLink. E, como a distância entre eixos cresceu, há necessários reflexos no domínio da habitabilidade, com mais espaço disponível, sobretudo para os passageiros do banco traseiro. Já a bagageira, conforme a configuração, tem uma capacidade entre 490 e 1.450 litros.

[jwplatform 2pddjnkR]