532kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

António Costa com menos greves do que Passos Coelho

Este artigo tem mais de 5 anos

Durante este ano, o primeiro de António Costa enquanto primeiro-ministro, foram registados menos avisos de greve do que em 2015. O número é o mais baixo dos últimos dez anos.

O primeiro ano do governo de Passos Coelho foi o que registou o maior número de greves
i

O primeiro ano do governo de Passos Coelho foi o que registou o maior número de greves

NUNO FOX/LUSA

O primeiro ano do governo de Passos Coelho foi o que registou o maior número de greves

NUNO FOX/LUSA

Durante este ano, foram registados menos 430 avisos de greve do que em 2015. O número é o mais baixo dos últimos dez anos, de acordo com os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT) consultados pelo Diário de Notícias. Isto significa que, durante o primeiro ano do governo de António Costa, o número de greves foi inferior ao registado durante a legislatura de Pedro Passos Coelho.

Os números não enganam: até 30 de novembro, tinham sido entregues 381 pré-avisos de greve, com 111 a pertencerem ao setor empresarial do Estado. Se voltarmos atrás no tempo e olharmos para os dados de 2012, o primeiro ano da coligação PSD-CDS (que tomou posse em meados de 2011), o número é bem superior: 1.895. Este foi o pior valor registado pela DGERT durante esta década, tendo-se mantido elevado até 2014 e só registando uma descida significativa em 2014.

Como nem todos os avisos terminam em paralisações, estes nem sempre coincidem com o número de greves efetivas. O valor correspondente ao ano de 2016 só será conhecido em março, altura em que o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social irá tratar todos os dados, mas espera-se que este seja inferior ao registado em 2015.

Os valores relativos às greves mostram as mesmas oscilações dos avisos de greve dos últimos anos: foi em 2012 que foi registado o número mais alto de paralisações — 127 –, num total de 92.324 trabalhadores em greve. Em 2013, o número desceu para 119, continuando a diminuir até 2015, ano em que foram organizadas apenas 75 greves.

De acordo com a DGERT, esta diminuição de trabalhadores em greve deve-se ao facto de não ter ocorrido “nenhuma grande greve de pluriempresa” durante esses anos, “ao contrário do que sucedeu nos dois anos anteriores”.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.