O conselho de administração da Galp Energia aprovou o investimento na área de Coral Sul, o primeiro projeto de desenvolvimento relacionado com as descobertas de gás natural realizadas na bacia do Rovuma em Moçambique.

Em comunicado, a empresa de energia liderada por Carlos Gomes da Silva, adianta que a luz verde agora obtida “constitui um marco relevante para a tomada da decisão final de investimento no projeto” de exploração de gás natural em Moçambique onde foram feitas importantes descobertas.

A Galp adianta que o progresso deste projeto depende ainda da aprovação pelos restantes parceiros no consórcio, da conclusão do financiamento do projeto e da aprovação pelo Governo moçambicano das condições relativas ao financiamento (carry) da participação correspondente à Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH)”. Não foi para já revelado o investimento previsto para a companhia portuguesa.

O Coral Sul prevê a construção de uma unidade flutuante para a liquefação de gás natural (FLNG) com uma capacidade anual superior a 3,3 milhões de toneladas de gás natural liquefeito (GNL), que ficará ligada a seis poços nas águas de Moçambique. Esta unidade vai permitir transportar o gás natural por barco até ao destino final.

O consórcio já assinou um acordo com a BP para a venda do volume do gás produzido pela FLNG de Coral Sul, por um período de 20 anos.