Angola

Jornal de Angola: “Elites portuguesas tratam-nos como se fôssemos seus escravos”

1.032

Num artigo publicado no Jornal de Angola, órgão detido pelo Estado, o diretor daquela publicação acusa as elites portuguesas de apunhalarem um país irmão e de olharem para Luanda como ex-colónia.

O diretor do Jornal de Angola compara ainda Luaty Beirão aos autores dos atentados de Berlim e Nice

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso
Mais sobre

“Quarenta e um anos depois da independência de Angola, as elites portuguesas continuam a tratar-nos com má educação, como se ainda fôssemos seus escravos“. As acusações são duras e estão vertidas num artigo de opinião assinado por José Ribeiro, diretor do Jornal de Angola, publicação controlada pelo Estado angolano. Nele, o responsável pela publicação denuncia aquilo que diz serem as “punhaladas nas costas desferidas por Lisboa” e critica os tiques colonialistas dos portugueses. Em causa está a cobertura dada por Portugal ao “cidadão português Luaty Beirão”, que se preparava para realizar “atos de violência e de terrorismo muito semelhantes aos praticados em Paris, Nice, Berlim“.

Na sua mensagem de Natal para os leitores angolanos, José Ribeiro escreve: “A forma execrável como trataram Angola por causa do caso dos ‘Revus’, e em particular do cidadão português Luaty Beirão, investigado e acusado de crimes graves em Angola, é característica dessa atitude [esclavagista] de Lisboa. As punhaladas portuguesas são históricas“.

O diretor do Jornal de Angola não poupa, de resto, Isabel Moreira, a deputada socialista que a 14 de dezembro, em pleno Parlamento português e na presença de Luaty Beirão, arrasou o regime de José Eduardo dos Santos, a que chamou “ditadura brutal”. A propósito desse discurso, José Ribeiro lembra que Isabel Moreira é filha de “Adriano Moreira, antigo ministro do Ultramar”.

Mas essa é apenas uma das muitas considerações que o diretor da publicação faz sobre o caso que envolveu Luaty Beirão. Para José Ribeiro, Luaty e os restantes ativistas presos em Angola são “financiados pelo multimilionário George Soros [empresário que fundou a Open Society Foundation, uma organização que apoia movimentos pela democracia em vários países]” e dedicaram-se a “manifestações selvagens que degeneraram em confrontos com a Polícia Angolana, que respondeu de maneira equilibrada, comparada com a intervenção musculada das forças da ordem na Europa”.

Os responsáveis políticos portugueses, no entanto, julgaram mais uma vez mal o caso, agindo com o preconceito de sempre. “Por ser Angola, Portugal voltou a julgar este caso de maneira diferente, com dois pesos e duas medidas, tal como o fez com Savimbi e faz sempre“, acusa José Ribeiro.

Está provado que o cidadão português Luaty Beirão radicalizou-se no Reino Unido e em França para lançar a violência em Angola. A atividade em que se envolveu é típica de quem trabalha para a Open Society, de Soros, e serviços externos. A atual viagem do cidadão português à Europa, a coberto de uma campanha de propaganda mediática, destina-se apenas a receber o dinheiro pelos serviços que prestou a Soros. Cumpriu bem a missão. Por isso também foi à Suíça. Luaty não é nenhum filho do regime angolano, é um filho sem pai nem mãe, mal educado como os deputados da estirpe de Isabel que se metem na Esquerda sem esconderem a sua matriz pró-apartheid”, escreve o diretor do Jornal de Angola.

José Ribeiro estende depois as críticas ao comportamento de todos os deputados portugueses que se solidarizaram com a causa de Luaty Beirão. “Quando a Assembleia da República Portuguesa e o Governo português apenas recebem bem os inimigos da paz em Angola não podem dizer que as relações com Angola são fraternas. Aos irmãos não se apunhala pelas costas“.

Em Portugal, depois da destruição das grandes parcerias com o BES e PT, prosseguem os ataques a outros interesses angolanos, agora com a desculpa de ser prejudicial uma ‘exposição a Angola’, bem vista apenas quando convém. Os cidadãos angolanos continuam a meter rios de dinheiro na economia portuguesa, mas nas lojas angolanas vendem-se cada vez mais produtos podres provenientes de Portugal. Os empresários desonestos até conseguiram impingir a colocação da tortuosa (para os pés) calçada portuguesa nos passeios de Luanda“, escreve o diretor do Jornal de Angola.

As acusações de José Ribeiro terminam com um aviso do responsável pela publicação aos responsáveis angolanos: cuidado com os “amigos da onça”. “São muitas, pois, as punhaladas pelas costas desferidas de Lisboa. O que é pena. (…) Em dias de Natal como este, em que os tambores da guerra, da intriga e da mentira ouvem-se mais alto do que os apelos de Francisco, é bom recordar quem são os amigos da onça“.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)