Rádio Observador

Mário Soares (1924-2017)

Costa queria estar em Lisboa, mas primeiro-ministro tem de estar na Índia

366

António Costa insiste que decisão de não interromper viagem à Índia para as cerimónias fúnebres não foi "decisão pessoal". Se fosse, preferia estar "onde todos os amigos de Mário Soares querem estar".

TIAGO PETINGA/EPA

António Costa vai falhar o funeral e as cerimónias de homenagem a Mário Soares, em Lisboa, mas diz que a decisão de permanecer na Índia, onde está numa visita oficial desde sexta-feira, “não foi uma decisão pessoal”. “Do ponto de vista pessoal queria estar onde todos os amigos do dr. Mário Soares querem estar, junto de si a prestar a sua última homenagem. Mas os primeiro-ministros nem sempre podem fazer o que querem, devem sempre procurar fazer o que devem”, disse em declarações à SIC a partir da Índia.

Segundo António Costa, a sua obrigação enquanto primeiro-ministro era a de permanecer na Índia e não interromper a visita de Estado, arriscando mesmo que Mário Soares faria a mesma coisa se estivesse na sua posição. E explica porquê: “Esta é a primeira visita de Estado de um primeiro-ministro português desde que Mário Soares restabeleceu as relações diplomáticas entre Portugal e a Índia, em 1974. As autoridades indianas quiseram valorizar muito esta visita, fazendo-a coincidir com o congresso da diáspora e com a inauguração do centro de língua portuguesa em Goa, por isso é um momento muito particular”.

A verdade, continua a explicar, é que “as visitas de Estado têm regras, devemos cumpri-las”. “Tenho a certeza que o dr. Mário Soares, se tivesse na minha posição, faria exatamente o mesmo. E a prova disso é que os filhos, João Soares e Isabel Soares perceberam a decisão. “Disseram-me que eu devia fazer o que tinha de fazer”, disse ainda.

António Costa anunciou ainda que os elementos mais festivos da visita oficial que decorre na Índia serão eliminados do programa, como é o caso de um percurso a pé por Goa. De resto, a agenda prevista manter-se-á mais ou menos intacta.

Antes, na abertura do congresso da diáspora, o primeiro-ministro indiano pediu um minuto de silêncio por Mário Soares, o que resultou numa imagem forte de mais de 8 mil pessoas em silêncio em homenagem ao ex-Presidente da República português. António Costa confessa nas mesmas declarações à SIC que ficou impressionado com a homenagem feita pelo homólogo indiano e pelo impacto causado pelas oito mil pessoas em silêncio. “Foi um momento que nos impressionou, muito, a todos”.

Sobre as memórias que tem de Mário Soares, Costa destaca a sua faceta de “homem de consensos que sempre fez ruturas quando achou necessário”, quer tivesse sido quando achou que a democracia estava em causa, ou quando a social-democracia europeia estava a ser posta em causa também.

“Mário Soares ensinou-nos que a liberdade era o valor fundamental, que a democracia era imprescindível, que a tolerância é inestimável, que a concórdia é essencial em momentos de crise, mas que havia momentos que em que era necessário saber romper porque aquilo em que acreditamos às vezes exige ruturas”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)