A BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, contratou o ex-ministro das Finanças britânico, George Osborne, como consultor sénior. A contratação foi anunciada esta sexta-feira à tarde pelo presidente executivo da empresa, Larry Flink, que se encontra no Fórum Económico Mundial em Davos, num comunicado em que justificava a escolha pelo contributo que o ex-ministro deu na recuperação do país e do G20 face à crise financeira mundial de 2008.

George Osborne, que foi ministro com a pasta das Finanças no governo de David Cameron, tem “uma perspetiva única e valiosa sobre os temas que afetam o mundo”, explicou o líder executivo da BlackRock. “O foco da nossa missão é ajudar as pessoas no mundo inteiro a poupar e a investir para as suas reformas”, reforçou, “e as avaliações de George Osborne ajudarão os nossos clientes a atingir os seus objetivos”.

O antigo ministro conservador — que deixou o governo britânico em Julho do ano passado acompanhando a demissão do governo de David Cameron após o resultado do referendo do Brexit — inicia funções, a tempo parcial, a partir de Fevereiro. Irá dedicar um dia por semana à BlackRock, ficando ainda livre para atividades políticas. O seu salário, contudo, não foi revelado, o que está a alimentar as especulações no Reino Unido.

Osborne irá fazer avaliações sobre a política e estratégias europeias, a reforma económica chinesa e tendências de mercado, como as taxas de juro ou o impacto da esperança de vida no planeamento das reformas. Está impedido, contudo, de se envolver em qualquer tipo de contacto ou atividade de lobby com o governo britânico.

George Osborne, 45 anos, tem participado em conferências em bancos e instituições em vários pontos do mundo desde que deixou o Governo, tal como David Cameron – uma atividade que, segundo o Financial Times, já lhe terá rendido mais de 600 mil libras (693 mil euros). Com a entrada na BlackRock. o ex-ministro junta-se assim a Rupert Harrison, seu antigo conselheiro económico, que trabalha como estratega da gestora de fundos desde 2015. A BlackRock gere ativos avaliados em cerca de cinco mil milhões de dólares (4,6 mil milhões de euros) o que a torna na maior gestora de ativos do mundo.