Quase dois anos depois do primeiro número chegar às bancas, a revista Cristina vai fechar. A decisão avançada pela revista Flash foi confirmada por uma fonte do projeto editorial ao Observador: “Por mútuo acordo [entre Cristina Ferreira e a Masemba], decidiram pôr fim à parceria que tinha uma lógica anual.”

A empresa editora da publicação vai lançar a última edição da revista (cuja capa ainda está por revelar) já no próximo dia 7 de fevereiro e acabar com “um dos projetos editoriais que teve mais impacto na última década”. A mesma fonte afirma ainda que “a parceria acaba feliz”: “Foi bom e não acabam chateados”. Uma decisão que “não ameaça outros títulos do grupo” como a Revista de Vinhos, Lux e LuxWoman.

Cristina Ferreira, de 39 anos, está de férias na Tailândia e até à hora em que este artigo foi publicado não se pronunciou sobre a notícia de fecho, à exceção de uma fotografia na rede social Instagram onde dá a entender que, apesar do fim da revista Cristina, o futuro é sorridente. “E se isto acabar? O que vier será melhor”, diz, partilhando a última frase do seu livro Sentir. Contactada pelo Observador, a agente da apresentadora da TVI também não quis comentar a notícia.

Em comunicado oficial, divulgado durante a tarde desta terça-feira, o grupo editorial afirma que “a revista Cristina nasceu em março de 2015, fruto de uma parceria entre a apresentadora Cristina Ferreira e a Masemba. Esta parceria tinha uma base anual, sendo a sua continuidade avaliada no final de cada ano. Ambas as partes decidiram, de mútuo acordo, terminar a parceria, com efeitos a partir de março deste ano”.

A revista Cristina foi o projeto editorial com maior sucesso em Portugal nos últimos dois anos, tendo sido seguramente o título mais impactante lançado na última década. Tratou-se de um título rentável desde o número 1. A Masemba agradece à Cristina Ferreira e à equipa da revista Cristina, o empenho, dedicação e paixão que imprimiram ao mesmo”, remata a Masemba.

O primeiro número da revista Cristina chegou às bancas em março de 2015 com Marcelo Rebelo de Sousa na capa e atingiu vendas na casa dos 110 mil exemplares. Em duas horas foram vendidos mais de 40 mil cópias da revista mensal, escreveu à data o Dinheiro Vivo. Em 2016 estes números desceram e a revista passou a vender entre os 32 mil e os 65 mil exemplares segundo a Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação — mesmo com capas polémicas como as que mostraram a nudez de Quaresma, Rita Pereira, Simão Sabrosa e Joana Amaral Dias, e com entrevistas a Santana Lopes, Ricardo Araújo Pereira e Manuel Luís Goucha (cujo número esgotou e teve direito a uma segunda edição).

cristina-capa-full-01

O primeiro número da revista ‘Cristina’ chegou às bancas em março de 2015.

Desde o início a revista Cristina vendia-se embalada num plástico transparente, com data de chegada às bancas no dia 7 de cada mês e um preço de capa de 3€. Apresentava-se como “uma revista mensal focalizada em abordar de uma forma única, irreverente e inusitada temas de atualidade, em diferentes áreas como saúde e bem-estar, beleza, moda, lazer, viagens, comportamento, família, ente outros”. A penúltima capa da publicação, lançada em janeiro deste ano, contou com Simone de Oliveira num frente a frente com Cristina Ferreira.

q

O convidado do último número da Cristina ainda está por revelar.

Em fotogaleria reunimos as capas mais mediáticas de dois anos de publicações.

Artigo atualizado às 16h15 do dia 31.01.2017 para incluir o comunicado oficial da Masemba e reação de Cristina Ferreira.