Poluição

A poluição já chegou aos lugares mais profundos dos oceanos

351

Nem as profundezas dos oceanos estão a "salvo" da poluição. Um grupo de investigadores ingleses descobriu elevados níveis de poluição a quase 11.000 metros de profundidade.

Nem o lugar mais profundo da Terra, o fundo dos oceanos, escapa à poluição causada pela atividade humana. Um grupo de investigadores ingleses descobriu “níveis extraordinariamente altos” de contaminação nas profundezas dos oceanos, que se julgavam a “salvo”.

A poluição causada pela atividade humana é de tal ordem que chegou, facilmente, às fossas submarinas mais profundas, nomeadamente, ao abismo Challenger na fossa das Marianas — o lugar mais profundo da Terra — situado a 10.900 metros de profundidade — e à fossa de Kermadec — a 10.047 metros de profundidade –, ambos no Oceano Pacífico.

Um grupo de investigadores ingleses, da Universidade de Aberdeen, detetou “níveis extraordinariamente altos” de poluição nos oceanos e de substâncias químicas nos pequenos crustáceos (chamados anfípodas) que habitam as suas profundezas, em lugares a cerca de 7.000 quilómetros das zonas industriais mais próximas.

Seguimos pensado nas profundidades do oceano como um reino remoto e puro, a salvo do impacto humano, mas a nossa investigação mostra que, tristemente, isto não poderia ser mais incerto” assegura o investigador Alan Jamieson, citado pelo El Mundo.

Os crustáceos apresentam Compostos Orgânicos Persistentes (COP’s), alguns dos quais proibidos há décadas, mas cujas consequências ainda se fazem sentir. Os investigadores acreditam que os animais tenham sido contaminados através do contacto com o lixo (plástico) acumulado no fundo do oceano e por se alimentarem de outros animais contaminados mortos.

Os altos níveis de poluição detetados nas profundezas dos oceanos são comparados aos de Suruga Bay, uma das zonas industriais, do noroeste do Pacífico, mais contaminadas. Alam Jamieson garante que “tudo aquilo que se encontra no fundo do mar voltará à superfície algum dia, de outra forma” e que muita poluição marinha está logo à superfície.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Poluição

Planeta ou Plástico? Porque temos de escolher

José Crespo de Carvalho

Da produção mundial total, 380 milhões de toneladas por ano, metade é de plástico "single-use", nem sempre fácil de banir. Mas são necessários esforços redobrados para que isso mesmo venha a acontecer

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)