Rádio Observador

Rui Rio

Rui Rio: críticas, propostas e uma frase controversa

138

Rui Rio concorda com a obrigatoriedade de integrar mulheres nas administrações mas discorda do timing da medida. Na atual conjuntura, diz o ex-autarca, é um "luxo saudável".

Rui Rio debateu o papel do Estado no fomento do investimento no Fórum Empresarial do Algarve, que decorre este fim-de-semana

Autor
  • Helena Cristina Coelho

A dívida pública “é insustentável”, tem de se fazer “uma reforma do Estado de uma vez por todas”, é vital criar “um clima de confiança” para as empresas e é preciso “incentivar a poupança” dos portugueses. Estas foram algumas das críticas e recados que Rio Rio deixou hoje à tarde num encontro empresarial no Algarve, numa intervenção onde não faltou uma declaração controversa sobre as quotas de género na gestão das empresas públicas e cotadas.

O economista e ex-presidente da Câmara do Porto considerou que, na conjuntura atual, a obrigatoriedade de integrar mulheres nos órgãos de gestão é um “luxo saudável” a que as empresas não se podem dar neste momento. A medida em causa obriga as empresas públicas, a partir de Janeiro de 2018, a terem uma representação mínima de 33% de ambos os sexos nas suas administrações – no caso das empresas cotadas, a exigência mínima será de 20% no próximo ano e de 33% em 2020. “Peço desculpa às senhoras, que me merecem o maior respeito”, afirmou, mas a obrigação de “ter mais senhoras ou mesmo mais homens é um luxo saudável que as empresas não podem ter nesta fase”, rematou.

A intervenção de Rui Rio começara num tom informal, até bem humorado, e os comentários reservaram algumas críticas à estratégia de crescimento económico que tem sido defendida pelo governo de António Costa. “Já se percebeu que é pelas exportações e pelo investimento que o crescimento se faz, não é pelo consumo privado”, defendeu o economista e ex-presidente da Câmara do Porto, no discurso com que iniciou o último painel de debate do V Fórum Empresarial do Algarve, em Vilamoura.

Perante uma plateia com perto de 200 empresários, gestores, investidores, advogados e outras personalidades– onde se encontravam figuras como o presidente do grupo SIVA, João Pereira Coutinho, ou o presidente da CIP, António Saraiva –, Rui Rio deu o mote para um debate sobre o papel do Estado no fomento do investimento. E, no mesmo discurso de apresentação do debate, reforçou a importância de criar um clima de confiança no país.

Já se percebeu que é pelas exportações e pelo investimento que o crescimento se faz, não é pelo consumo privado.”

“Compete ao Estado mexer em determinadas variáveis, como a confiança. Criar condições para que exista confiança” de empresários e investidores, lembrou o economista, que moderou o debate na condição de partner da consultora Boyden. Ao seu lado estavam o ex-ministro e antigo presidente executivo do Banco BIC, Luís Mira Amaral, e o presidente da AICEP, Miguel Frasquilho, ambos “com uma costela social-democrata”, como lembrou. O debate contou ainda o economista e ex-assessor de António Costa, Vítor Escária, e o advogado e sócio da Linklaters, Pedro Siza Vieira, “outras costelas”, ironizou Rui Rio entre os risos da plateia.

O elogio da poupança

Rui Rio voltou a dar um toque político às suas declarações — e deu nota disso à audiência — quando chamou o tema da poupança ao debate. Lembrou que a poupança dos portugueses desceu de tal forma que está nos níveis que se verificavam em 1960. E criticou a ideia que se instalou no país de que “quem poupa é rico, quem se endivida é pobre. E por isso é preciso apoiar os pobres”, comentou o economista. Perante o que considera uma situação penalizadora, defende: “Temos de voltar a apoiar a poupança”.

Quem poupa é rico, quem se endivida é pobre. E por isso é preciso apoiar os pobres”, ironizou Rui Rio. Uma situação que o economista critica, ao mesmo tempo que alerta para a queda da poupança dos portugueses, que está em níveis equivalentes aos de 1960. “Temos de voltar a apoiar a poupança.”

Numa espécie de radiografia breve da economia portuguesa, o discurso inicial de Rui Rio deu também o mote para uma discussão à volta de três pontos críticos para a sustentabilidade das empresas portuguesas. Em primeiro lugar, o baixo nível de autonomia financeira das empresas portuguesas. Depois, a excessiva dependência do financiamento bancário. E, por fim, o elevado sobreendividamento do tecido empresarial português.

À margem do debate, em conversa com os jornalistas, Rui Rio reforçou de novo a sua avaliação negativa às contas públicas. Considera que a dívida pública “é insustentável” e que é preciso inverter um caminho em que, “o desde o 25 de Abril, só somamos dívida e défice”. Como? O economista propõe que se olhe para a despesa corrente e que “é preciso ter pequenos superavits financeiros”. Mais: defende que não se pode adiar mais a reforma do Estado e que isso obriga a seguir “uma estratégia consistente de longo prazo”.

O V Fórum Empresarial do Algarve, organizado pelo LIDE Portugal, está a decorrer em Vilamoura desde ontem, 17, e termina amanhã de manhã. É a quinta edição de um encontro que tem como objetivo debater temas que marcam a agenda económica, política e empresarial. Este ano o tema-chave é “Crescimento e criação de valor”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Política

8 discursos universais

João Araújo

Os discursos universais são o instrumento que permite inocular grandes doses de narrativa inativada gerando um espaço público pimba ao imunizar as pessoas contra o que realmente conta: a substância.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)