O valor médio de avaliação bancária da habitação em Portugal aumentou seis euros, para 1.106 euros por metro quadrado (m2), em janeiro face ao mês anterior, divulgou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). Segundo o INE, este aumento em cadeia corresponde a uma subida percentual de 0,5%, que compara com o acréscimo de 0,8% do mês anterior.

Em termos homólogos, a variação do valor médio de avaliação bancária, realizada no âmbito da concessão de crédito à habitação, passou de 4,8% em dezembro para 5,6% em janeiro.

De acordo com o instituto estatístico, apenas nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores se registaram em janeiro decréscimos em relação a dezembro de 2016, tendo a Área Metropolitana de Lisboa (com uma variação de 0,8% e um valor de avaliação de 1.341 euros/m2) sido “a que mais contribuiu” para o acréscimo mensal no país.

Em comparação com o período homólogo, o Norte, com um aumento de 6,2% (5,2% no mês anterior), destacou-se como a região com a variação mais intensa.

Numa análise por tipologia de habitação, em janeiro o valor médio de avaliação dos apartamentos fixou-se em 1.149 euros/m2, mais 0,5% do que em dezembro.

Por regiões NUTS II, os crescimentos mensais mais acentuados nesta tipologia observaram-se no Algarve e nos Açores (1,4% em ambas), com valores médios de avaliação de 1.324 euros/m2 e 1.106 euros/m2. Face ao período homólogo, o valor médio de avaliação dos apartamentos aumentou 5,2% (variação de 4,4% em dezembro), tendo a Área Metropolitana de Lisboa registado o acréscimo mais expressivo (71 euros/m2 e variação de 5,6%).

O valor médio de avaliação para as tipologias de apartamentos T2 e T3 situou-se em 1.131 euros/m2 e 1.083 euros/m2, respetivamente, o que se traduziu em aumentos de quatro euros/m2 e de um euro/m2 face ao mês anterior (variações de 0,4% e 0,1%), pela mesma ordem.

No que se refere às moradias, registaram um valor médio de avaliação bancária para o total do país de 1.034 euros/m2 em janeiro, valor superior em oito euros/m2 (+0,8%) ao de dezembro. Em termos homólogos, o valor médio das moradias aumentou 5,9%, o que compara com a variação de 5,1% no mês anterior.

Segundo o INE, todas as regiões NUTS II, exceto os Açores, apresentaram variações “mais intensas” do que no mês anterior nesta tipologia, tendo a do Algarve apresentado o maior acréscimo (de 3,7% em dezembro, para 10,8% em janeiro).

As moradias de tipologia T3 e T4 registaram valores médios de avaliação de 999 euros/m2 e de 1.067 euros/m2 (aumentos face a dezembro de três euros/m2 e de 14 euros/m2, respetivamente).

Em relação a dezembro, e face à média do país, a análise dos índices do valor médio de avaliação bancária de habitação por NUTS III evidencia subidas em 13 das 25 regiões, tendo o Alentejo Central registado o aumento mais acentuado (3,9%), com um índice relativo de 93%. Já na região do Médio Tejo observou-se o maior decréscimo, de 2,7%, para um índice de 72%.