Rádio Observador

Sibéria

Existe uma cratera gigante a abrir-se na Sibéria. E não pára de crescer

858

Na Sibéria existe uma cratera que está a aumentar a grande velocidade. Cientistas acreditam que se deve às alterações climáticas, o fenómeno que, ao mesmo tempo, a cratera permite conhecer melhor.

O gelo que está a derreter tem imenso carbono armazenado que, após ser libertado, aumenta o processo de aquecimento global

Junto da bacia do rio Yana, na Sibéria, numa área de solo congelado, existe uma cratera em expansão, batizada de Batagaika. E a sua dimensão está a criar preocupação: um quilómetro de comprimento e 86 metros de profundidade que, segundo conta a BBC, estão a aumentar com o passar do tempo. Os cientistas veem-na como um risco, mas também como uma oportunidade.

Se, por um lado, os moradores locais não se querem nem aproximar (porque dizem que esta é uma porta para o submundo), por outro, os cientistas consideram o fenómeno uma ajuda preciosa para conhecer melhor a evolução do clima. Numa análise preliminar do fenómeno, publicada este mês no “Quaternary Research”, os cientistas que têm estudado a cratera garantem que pela observação das várias camadas do solo que a compõem, é possível entender outro fenómeno: o das alterações climáticas (que é, aliás, o que os especialistas dizem que está a provocar o crescimento do imenso buraco). As várias camadas da cratera permitem o “registo contínuo da história geológica, o que é bastante pouco comum” de encontrar, explica Julian Murton, cientista da Universidade de Sussex, do Reino Unido, citado pela BBC. Aliás, os especialistas acreditam que o estudo da cratera permite revelar 200 mil anos da história do clima, só pela análise das várias camadas.

E porquê? Porque a cratera abre uma janela no solo terrestre, expondo camadas congeladas de forma permanente (que os geólogos classificam de pergelissolo). Este solo é constituído por gelo, rochas e sedimentos, e na cratera existe pergelissolo congelado mais recentemente, mas também com milhares de anos, chegando mesmo da era glacial. A abertura da cratera começou com algumas fissuras no terreno por volta de 1960 , que aceleraram quando a rápida desflorestação expôs demasiado o local à luz solar. O sol entrou diretamente no solo, derretendo-o progressivamente até se chegar ao buraco que existe hoje.

Frank Günther, do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, tem monitorizado o local, juntamente com a sua equipa, há uma década, através de imagens de satélite. O objetivo é acompanhar as mudanças que vão ocorrendo, fazendo medições constantes. Num encontro de geólogos, no final do ano passado, apresentou algumas conclusões e, entre elas, a dimensão do problema: nos últimos 10 anos, essa análise detalhada permitiu aferir que a cratera cresceu a alta velocidade, ou seja, cerca de 10 metros,por ano. “A cratera está a crescer de forma contínua e isso significa que está a ficar mais profunda a cada ano que passa”, explica também em declarações à BBC.

Mas apesar de os especialistas terem ali um precioso elemento de estudo sobre o clima, sobretudo avisam para os riscos que a cratera traz ao mesmo fenómeno que ajuda a perceber melhor: o das alterações climáticas. E isto porque os blocos de gelo que estão agora a ser expostos e que remontam à era glacial têm muita matéria orgânica armazenada, nomeadamente carbono.

Segundo Günther, a quantidade de carbono armazenada no gelo é a mesma que existe na atmosfera e à medida que o carbono vai sendo libertado, sendo consumido por micróbios que, por seu lado, produzem metano e dióxido de carbono que são libertados para a atmosfera, acelerando o aquecimento global. Os especialistas chamam-lhe o “feedback positivo: aquecimento acelera o aquecimento”, explica Frank Günther. O mesmo cientista garante que não há infraestruturas que possam resolver a situação, pelo que acreditam que o futuro da Sibéria está comprometido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)