Obrigado por ser nosso assinante. Beneficie de uma navegação sem publicidade intrusiva.

As fotografias falam por si. O antigo presidente norte-americano, e republicano, George W. Bush e a agora antiga primeira-dama Michelle Obama, democrata, têm sido apanhados nas câmaras em momentos de grande cumplicidade e até ternura, que depressa se tornaram virais. É de estranhar? Nem por isso. Numa entrevista concedida esta semana à revista People, o ex-presidente dos EUA disse que havia um “genuíno afeto” entre os dois, atribuindo a “culpa” ao facto de Michelle Obama apreciar o seu peculiar sentido de humor.

“Quando a vi, houve uma genuína expressão de afeto”, disse George W. Bush, admitindo que os dois se dão bastante bem. “Ela gosta do meu sentido do humor. E eu gosto imediatamente de alguém que gosta do meu sentido de humor”, brincou, numa entrevista à People a propósito do lançamento do seu primeiro livro de pintura “Retratos de Coragem”, que homenageia os veteranos de guerra do pós-11 de setembro.

Pode ser, para alguns, uma amizade invulgar, já que se trata de uma amizade entre um antigo presidente dos Estados Unidos e uma ex-primeira-dama norte-americana, de administrações diferentes e com ideais políticos opostos, e de gerações diferentes. Mas a verdade é que fotografia que, em setembro do ano passado, deu que falar por mostrar os dois surpreendentemente cúmplices durante a cerimónia de inauguração de um museu de história afro-americana, é apenas o espelho daquilo que tem sido a sua interação desde que se conheceram e simpatizaram um com o outro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os momentos onde os dois se sentam lado a lado são vários e vão desde cerimónias formais de homenagens a vítimas, a comemorações de históricas batalhas de direitos civis, passando por exemplo pelo funeral da ex-primeira-dama Nancy Reagan (ver fotos em cima).

“Não me lembro de muitos outros momentos em que me sentei ao lado dela, mas provavelmente disse algumas piadas e ela pareceu gostar. Eu às vezes pico-a, sou muito bem-disposto, e os Obamas [quando estavam na Casa Branca] estavam sempre rodeados de pessoas tão sérias que talvez tenha sido por isso que nos começamos a dar bem”, explicou ainda.