Depois de a Lamborghini ter reivindicado recentemente, para si e para o seu Huracán Performante, a coroa de automóvel de produção capaz da volta mais rápida ao Nordschleife do circuito de Nürburgring, com o tempo de 6m52,01s, eis que um novo pretendente promete vir a tentar roubar esse mesmo ceptro – o exclusivo Koenigsegg One:1. Com o próprio criador deste superdesportivo sueco, Christian von Koenigsegg, a garantir desde já que o seu carro “é capaz de fazer uma volta ao Nürburgring em 6 minutos e 40 segundos”.

A acontecer, esta não será a primeira tentativa do mais radical dos Koenigsegg tentar conquistar o título de superdesportivo mais rápido no circuito alemão. Sendo que, na primeira vez, o esforço terminou de forma abrupta, com uma falha no ABS e um supercarro destruído. Mais: essa má experiência aconteceu não com um carro da própria marca, mas com um automóvel particular, propriedade de um cliente e amigo de Christian von Koenigsegg. Contudo, o desaire parece não ter desmotivado o fabricante sueco, que terá voltado a colocar na agenda uma nova tentativa para derrubar o recorde da volta mais rápida no Nürburgring.

A primeira tentativa teve um saldo negativo: o One:1, que custa cerca de 2,8 milhões de euros, ficou neste estado

A hipótese foi levantada numa entrevista de Christian von Koenigsegg à britânica Top Gear, com o responsável máximo da pequena marca de automóveis a admitir inclusivamente a possibilidade de vir a fazê-lo não com o seu superdesportivo mais radical de 1.360 cv de potência e 1.360 kg de peso, mas com um mais “modesto” Agera RS, ou até mesmo com o mais recente Regera – dois modelos que, ainda assim e embora particularmente eficazes, não foram criados a pensar numa utilização exclusivamente em circuitos.

Nessa mesma entrevista, Christian também reconhece implicitamente que a opção ideal seria o One:1, o qual, na primeira tentativa, chegou a rodar – pasme-se! em menos de sete minutos por volta! Ou seja, um tempo ao nível do alcançado pelo anterior detentor do recorde, o Porsche 918 Spyder.

A verdade é que, na altura do acidente, o nosso carro nem sequer estava a fazer uso da potência total, uma vez que estava limitado a 900 cv. Caso tivesse feito uso dos restantes 460 cv, certamente estaria a fazer menos 3 a 4 segundos por volta!”, afirma o dono da Koenigsegg.

E, numa altura em que várias vozes colocam em causa a forma como a Lamborghini poderá ter fixado um novo recorde em Nürburgring, Christian também afirma que, “a melhor forma de acabar com as teorias da conspiração, será um construtor fazer a sua melhor volta e em seguida submeter o carro à balança, mostrar pormenorizadamente os pneus e revelar qual o tipo de combustível que meteu no depósito”.