A We-Vibe, empresa canadiana de vibradores inteligentes, foi processada por espiar e receber informações dos hábitos sexuais dos utilizadores sem a sua autorização. Agora vai ter de pagar cerca de três milhões de dólares (cerca de 2,8 milhões de euros) de indemnização aos clientes que adquiriram o produto, conta o The Guardian.

A ação em tribunal foi motivada pela queixa de um casal, em setembro passado, que alegava que a empresa estava a obter dados secretos dos utilizadores, através do aparelho, como a intensidade da vibração e a quantidade de vezes que este era utilizado. Assim, os utilizadores que adquiriram o vibrador vão poder exigir até cerca de 187 euros ao fabricante. Já aqueles que utilizaram também a aplicação, poderão ser indemnizados num valor que pode rondar os 9.500 euros.

O vibrador, chamado We-Vibe 4 Plus e com um custo de 100 euros, funciona a partir da ligação bluetooth e consegue ser controlado através de um smartphone, permitindo que seja ligado à distância, “para que os casais possam manter a chama acesa quando estão longe ou perto”, anuncia o site oficial.

Imagem do site oficial da empresa canadiana

No entanto, a aplicação tinha já registado anteriormente diversas falhas a nível de segurança e privacidade. No ano passado, durante a Def Con Hacking Conference – conferência sobre ataques cibernéticos -, em Las Vegas, dois hackers da Nova Zelândia revelaram que o sistema permitia que qualquer pessoa, que tivesse o bluetooh ligado a uma determinada distância, conseguia ter acesso a todo o tipo de pormenores sobre a utilização do vibrador pelo casal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Standart Innovation, empresa mãe da We-Vibe, já reagiu à polémica, admitindo que já melhorou e alterou as condições de segurança e privacidade da aplicação.

Na Standart Innovation levamos a privacidade dos consumidores e da informação muito a sério. Temos vindo a melhorar questões acerca da privacidade, aumentámos a segurança da aplicação e demos aos utilizadores mais escolha relativamente à informação que partilham. Com isto, podemos continuar com o foco no fabrico de novos e inovadores produtos para os nossos clientes”, pode ler-se no comunicado da empresa, citado pelo The Guardian.