Rádio Observador

Angola

Bispos católicos angolanos pedem a Executivo que não governe para “privilegiados”

Os bispos católicos defenderam esta quinta-feira que Angola precisa de um Governo competente, que "governe para todos"

A posição foi expressa numa Mensagem Pastoral sobre as eleições gerais previstas para agosto

Ana Freitas/LUSA

Os bispos católicos angolanos defenderam esta quinta-feira que Angola precisa de um Governo competente, que “governe para todos e não apenas para aqueles que o elegeram e, pior ainda, para uma elite de privilegiados”.

A posição foi expressa numa Mensagem Pastoral sobre as eleições gerais previstas para agosto, lida no final da primeira assembleia plenária da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), que terminou esta quinta-feira na província de Benguela. A mensagem dos bispos em ano de eleições visa “no mínimo” ajudar a “superar o ceticismo, a desconfiança e a indiferença, diante deste acontecimento importante, que marca a vida da sociedade, também da igreja de Angola”.

De acordo com os bispos, passados mais de 40 anos desde a conquista da independência de Angola, os angolanos continuam a “sonhar com um país próspero, democrático, sem corrupção, socialmente justo e economicamente sustentável”. Para os prelados, Angola precisa igualmente de uma oposição forte, que obrigue quem governa a dar o melhor de si em prol do bem de todos.

As eleições são para este efeito o instrumento que permite aos cidadãos escolherem os seus representantes e o projeto político que querem ver implantado nos próximos anos, contribuindo com a escolha expressa pelo seu voto, para a construção de uma sociedade mais justa e um futuro melhor para todos”, referem os bispos.

Na sua mensagem, os bispos da CEAST sublinham que a Igreja Católica “encara com simpatia o sistema da democracia”, mas ela não pode “favorecer a formação de grupos restritos de dirigentes, que usurpam o poder do Estado, a favor dos seus interesses particulares ou dos objetivos ideológicos”.

Acrescentam que há eleições democráticas, quando o povo pode escolher “com liberdade e responsabilidade e sem intimidação, nem aliciamentos, aqueles que a seu ver têm qualidades necessárias para promoverem o bem comum”. Aos partidos políticos que vão concorrer às eleições, os bispos exortam a apresentação aos cidadãos de programas políticos, que pretendem implementar se forem eleitos.

Não se limitando a apontarem meias frases ou metas vagas, como melhorar a educação, melhorar a saúde, combater a corrupção, mas esclarecendo que metas concretas se propõem a alcançar, como se propõem a alcançá-las, quais as pessoas competentes, com que cada partido conta, para pôr em prática o seu programa político”, refere a nota.

Os bispos apelam à responsabilidade de todos para o bom curso do processo eleitoral, antes, durante e depois das eleições, e aos responsáveis políticos e partidários para que garantam a “máxima transparência de todas as fases do processo eleitoral para que decorra de forma pacífica e a sua credibilidade não seja colocada em questão”.

“Este apelo dirige-se de igual modo à sociedade civil. Se alguém detetar alguma irregularidade deve informar e reclamar imediatamente nos termos da lei, para que eventuais irregularidades sejam analisadas e tidas em conta antes da divulgação dos resultados. De modo a que estes não venham a ser questionados”, apelam os prelados. “A igreja católica não se identifica com nenhum sistema político nem endossa algum candidato, todavia, a igreja encoraja e exorta todos os cidadãos a exercer o seu direito e dever de voto”, acrescentam.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)