Programa de Estabilidade

Governo aprova Programa de Estabilidade que prevê crescimento de 1,8% para este ano

Governo melhora previsões de crescimento e défice para este ano, no Programa de Estabilidade até 2021 que foi aprovado esta quinta-feira. O Programa Nacional de Reformas também foi aprovado.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Um crescimento económico de 1,8% em 2017, que vai continuar a acelerar até aos 2,2% em 2021, e um défice de 1,5% que chegará a um saldo positivo de 0,9% em 2021. Estas são as previsões que constam do Programa de Estabilidade 2017-2021 aprovado, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros. Os números foram avançados, em conferência de imprensa, pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, que não confirmou valores para o próximo ano.

A previsão de défice para este ano não inclui eventuais impactos da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, esclareceu ainda o ministro das Finanças.

“É uma situação que está em análise com o Instituto Nacional de Estatística e numa segunda fase com o Eurostat. É um assunto que está em aberto, o impacto que esta recapitalização possa ter nas contas públicas. O Governo tem trabalhado, juntamente com estas instituições, no sentido de clarificar a situação e de se poder ter uma decisão”, respondeu Mário Centeno que destacou ainda que nunca tinha sido feita uma operação nestas condições com um banco público. “É uma situação nova no quadro estatístico europeu”.

Além do cenário de aceleração económica, e de queda do desemprego “muito substancial”, com valores inferiores a 10% já este ano, o Programa de Estabilidade “assenta em medidas, tal como no programa do Governo, de recuperação dos rendimentos, promoção de investimento e melhoria do funcionamento da Administração Pública”, frisou Mário Centeno. O ministro sublinha que o documento tem “uma perspetiva de crescimento económico equilibrada, promotora de uma estratégia de consolidação das contas públicas ao mesmo tempo que promove a coesão social”.

“A minha expectativa é que este programa, com o grau de rigor com que foi desenhado, não tenha nenhuma dificuldade em ser bem acolhido pela Comissão Europeia. Cumpre todas as regras que nos são colocadas no âmbito da participação na área do Euro”, resumiu o ministro das Finanças, rematando que o programa “cumpre o programa de Governo e todos os compromissos”.

Em relação às previsões feitas no Orçamento do Estado de 2017, o Executivo revê assim em alta a projeção para o crescimento económico (de 1,5% para 1,8%, em linha com a última estimativa do Banco de Portugal) e melhora também a previsão para o défice deste ano (de 1,6% para 1,5%). Estas revisões em alta já eram esperadas, depois da performance do ano passado ter sido mais positiva do que a prevista. O PIB cresceu 1,4% e o défice em 2016 ficou nos 2% do Produto Interno Bruto.

A dívida pública deverá descer para 127,9% do PIB este ano, um valor ligeiramente abaixo dos 128,3% do produto antecipados no Orçamento do Estado, o que reflete um crescimento mais robusto da economia. Segundo o programa, a dívida pública manterá uma trajetória descente até chegar a 109,4% do produto em 2021. No ano passado, este indicador fechou nos 130,5% do PIB, uma percentagem influenciada pelo esforço de financiamento da injeção de fundos na Caixa que só se concretizou este ano.

O Conselho de Ministros aprovou ainda o Programa Nacional de Reformas que prevê, entre outras medidas, uma política mais restritiva para a utilização de contratos a prazo. Os dois programas serão entregues no Parlamento esta tarde e serão ainda sujeitos à apreciação da Comissão Europeia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Défice Público

Desta vez foi diferente? /premium

Helena Garrido
106

Ouvimos vários governos durante as últimas mais de duas décadas prometerem-nos que agora sim, as contas públicas estão controladas. Será desta vez diferente?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)