786kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

7 gráficos que explicam o surto de sarampo

Este artigo tem mais de 5 anos

Oito em cada 10 doentes europeus não têm vacina. Casos mais preocupantes são Roménia e Itália. Houve mais casos em 2 meses do que em todo o ano de 2016. Estes 7 gráficos explicam o sarampo em números.

i

Getty Images

Getty Images

Houve mais casos de sarampo em Portugal desde janeiro deste ano do que todos os reportados nos últimos dez anos. Mas o país não está, ainda assim, na lista dos mais preocupantes: na Roménia registaram-se 2.703 casos de sarampo entre março do ano passado e fevereiro de 2017. Logo a seguir vem Itália, com 1.387 doentes contabilizados no mesmo período de tempo. Nos 30 países estudados pelo European Centre for Disease Prevention and Control, 8 em cada 10 doentes não estavam vacinados contra o sarampo.

Em cinco países da Europa, o número de casos reportados nos primeiros dois meses do ano excedeu o número de casos registados em todo o ano passado. Mas também há boas notícias: dos 30 países estudados, em quinze a taxa de prevalência da doença indica que o sarampo está prestes a ser eliminado (1 caso em cada 1 milhão de pessoas) e em dez não houve qualquer caso de sarampo a chegar aos hospitais.

Estes são dados oficiais avançados pelo European Centre for Disease Prevention and Control, referentes ao período entre março de 2016 e fevereiro de 2017. Neste período, de acordo com a tabela avançada pela instituição, Portugal (onde a taxa de vacinação está entre os 95% e os 99%) não registou nenhum caso de sarampo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos