Empreendedorismo

A Gulbenkian está à procura de novas ideias para ajudar refugiados

1.860

Segunda edição da maratona digital Hack for Good vai decorrer na Fundação Calouste Gulbenkian a 24 e 25 de junho. Desafio? Melhorar a vida de refugiados. Candidaturas decorrem até 20 de maio.

Fundação Calouste Gulbenkian quer envolver 150 participantes de áreas como a programação, design, engenharia ou gestão

LUSA/ANTONIO COTRIM

Autor
  • Cristiana Faria Moreira

A Fundação Calouste Gulbenkian vai voltar a transformar uma galeria de exposições num grande laboratório tecnológico. Objetivo? Criar soluções para melhorar a vida de refugiados. A segunda edição da maratona digital (hackathon) Hack for Good vai decorrer a 24 e 25 de junho e está a procura de programadores, designers, gestores e criativos, com ideias globais e sustentáveis que ajudem a resolver os desafios que refugiados, e organizações que lhes prestam apoio, enfrentam. As inscrições estão abertas até 20 de maio.

Os desafios, aos quais os participantes terão de responder, ainda estão a ser definidos com o apoio do Alto Comissariado para as Migrações, responsável pelo plano nacional para a integração de refugiados. São questões relacionadas com educação formal e não formal, saúde, reconhecimento de diplomas e documentação que permitam a integração dos migrantes nos países de acolhimento, facilitação da integração social, cultural e económica de refugiados nas comunidades que os recebem, infraestruturas e acesso à Internet e tecnologia, por exemplo.

Cada vez mais se percebe que as agendas locais e globais estão interligadas. Quando a Fundação lança este desafio da integração de refugiados não está só a pensar no papel das tecnologias em Portugal, mas que as soluções aqui desenvolvidas possam ter fit e potencial de utilização noutros contextos onde esta realidade é mais premente”, considerou Luís Jerónimo, gestor de projetos da Fundação Calouste Gulbenkian.

São esperados 150 participantes de áreas como a programação, design, engenharia, gestão e outros profissionais interessados em tecnologia. Devem ser formadas equipas com três a cinco pessoas. Os vencedores vão receber 5.000 euros e os segundos classificados 2.000 euros.

“A tecnologia já não é uma questão de escolha”

A edição deste ano conta com a parceria da Techfugees, comunidade global que chegou a Portugal em novembro do ano passado, por altura da Web Summit, com uma missão clara: ajudar a promover soluções para a crise migratória na Europa, apoiadas em tecnologia e em inovação. Foi também essa a ideia de Mike Butcher, editor do TechCrunch, quando lançou esta organização sem fins lucrativos, em Londres, em 2015, e que hoje está presente nos cinco continentes.

A tecnologia já não é uma questão de escolha. E mais do que um fim em si, é um instrumento que podemos colocar ao serviço das pessoas. Se olharmos para o que são os grandes desafios do nosso tempo, os problemas que a sociedade terá de enfrentar são questões marcadamente sociais, como foi o caso do envelhecimento, que tratamos no ano passado, assim como é o tema dos refugiados”, considerou Luís Jerónimo.

No ano passado, o Hack for Good reuniu 150 participantes à volta do desenvolvimento de soluções focadas na população mais velha. Depois da participação na hackathon, uma das equipas finalistas (da Compta) desenvolveu uma aplicação – Ximi – que quer “mudar a vida de mais de 1,2 milhões de portugueses que vivem em condições de isolamento”, ao permitir a recolha de dados biométricos (temperatura do corpo, ritmo cardíaco) dos utilizadores e oferecer-lhes exercícios físicos e mentais através de jogos.

A Fundação Calouste Gulbenkian, notou Luís Jerónimo, não quer que as ideias desenvolvidas durante aqueles dois dias fiquem por ali. O objetivo passa também por tentar implementar esses projetos, como aconteceu com a Ximi.

“Para nós é muito interessante perceber como podemos, depois desta primeira fase, dar melhor sequência aos projetos que aqui serão desenvolvidos. É uma componente que queremos melhorar este ano. De qualquer forma, estamos muito satisfeitos ao olhar para os finalistas do ano passado e ver o percurso que estão a fazer”, sublinhou o responsável.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)