Rádio Observador

25 de Abril

Juventude Popular usa foto de Salgueiro Maia sem autorização. “Vou processar o CDS”

3.136

Para assinalar o 25 de Abril, a Juventude Popular fez uma montagem com filtro azul do icónico retrato de Salgueiro Maia. Mas não pediu autorização ao autor da imagem. Alfredo Cunha está "furioso".

Pormenor da montagem que a Juventude Popular publicou, a propósito do 25 de Abril.

Autor
  • Sara Otto Coelho

O fotógrafo Alfredo Cunha vai processar o CDS-PP por ter utilizado e adulterado o retrato de Salgueiro Maia sem ter pedido autorização. “E ainda inverteram, recortaram, abandalharam a fotografia toda. Estou furioso”, diz ao Observador.

O cartaz em questão surgiu terça-feira na página de Facebook da Juventude Popular. Para assinalar o 25 de Abril, a JP recortou a foto que Alfredo Cunha tirou a Salgueiro Maia no dia da Revolução, em 1974, colocou um filtro azul e escreveu: “25 de Abril. A Liberdade é de quem a dá aos outros! … e Não dos que se afirmam donos dela (sic).”

Alfredo Cunha reagiu também no Facebook. No seu perfil, acusa os autores do cartaz de “abusadores e ladrões”. Ao Observador, lembra que há mais de 20 anos que não vende a fotografia de Salgueiro Maia, embora autorize a sua utilização gratuita a quase toda a gente que lhe pede para partilhar a imagem, desde que os créditos ao fotógrafo sejam assinalados.

“Mas nunca autorizaria para o CDS. Primeiro, porque politicamente não tenho nada a ver com o CDS, nem gosto. Depois, porque não quero que o retrato sirva para propaganda política. Ainda por cima com aquele paleio!”, lamenta, referindo-se às mensagens colocadas sobre a imagem.

Alfredo Cunha vai avançar para a Justiça, mesmo que a JP decida agora retirar a imagem. “O crime está cometido, o mal esta feito”, conclui. “Ainda por cima vêm pregar moral sobre a liberdade? Vou para tribunal, para eles aprenderem a respeitar a liberdade dos outros. E muito menos aceito que a fotografia seja recortada e virada ao contrário, é uma deturpação da verdade.”

Juventude Popular não retira imagem. “Não podemos aderir a esta política de exclusão”

Contactado pelo Observador, Francisco Rodrigues dos Santos, presidente da JP, começa por lamentar ter tido conhecimento do descontentamento do autor da fotografia “pelos fóruns públicos” e não por parte do autor. “Não nos chegou de forma oficial qualquer contestação”, frisa, acrescentando que a JP está disponível, caso seja solicitado, para adicionar os créditos do autor da imagem. Mas recusa apagá-la.

Sem fazer referência à falta do pedido de autorização, e informado de que o autor não dará autorização para a utilização da imagem para fins políticos, Francisco Rodrigues dos Santos endurece a sua posição. “Isso desqualifica mais o autor do que a Juventude Popular. Porque quer excluir as novas gerações de centro direita do acesso ao direito democrático”, sublinha.

Questionado sobre os direitos de autor da imagem, o líder dos jovens centristas lembra que a intenção foi “formular uma reflexão de Abril” e lembrar “o saudoso capitão Salgueiro Maia, num gesto pacifico e singelo”. Quanto à foto, considera que é “património imaterial do país“, e recusa apagar o cartaz mesmo tendo de enfrentar um processo em tribunal, por acreditar que negar a utilização da imagem põe em causa “a participação nas comemorações de um dia que é da população e do povo português”.

A fotografia original, tirada a 25 de Abril de 1974. © Alfredo Cunha

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)