Rádio Observador

Futebol

Sporting e FC Porto retomam relação institucional e anunciam em comunicado conjunto

360

Os últimos episódios retiram-lhe a ideia de "milagre", mas não deixa de ser notícia: Sporting e FC Porto reatam relações institucionais. Quatro anos depois. Ainda se recorda o porquê do corte?

No início de junho de 2013, quando Bruno de Carvalho não tinha sequer três meses como presidente do Sporting, a final da Taça de Portugal de andebol desencadeou uma azeda troca de palavras entre o líder dos leões e Adelino Caldeira. O vice-presidente do FC Porto não tinha gostado das analogias de Bruno de Carvalho sobre a fruta a propósito da venda de João Moutinho ao Mónaco. Houve uma pega, grande. Pelo elevado tom da discussão, poucos dos presentes no Pavilhão Eduardo Mansinho, em Tavira, não se aperceberam do ocorrido.

O Sporting anunciou que iria esperar por um pedido de desculpas formal. Nunca surgiu. E, a 5 de junho, anunciou oficialmente por comunicado o corte de relações institucionais com os dragões.

“Naquele encontro, quando o presidente do Sporting, no âmbito institucional e por normais princípios de urbanidade se preparava para cumprimentar o representante máximo da delegação adversária, este assumiu uma conduta inqualificável de total desrespeito pela instituição Sporting, com cenas lamentáveis que de imediato mereceram o devido repúdio e uma resposta cabal por parte dos dirigentes do Sporting. Face aos graves acontecimentos ocorridos, que se traduziram num total desrespeito pela instituição Sporting e após ter decorrido o tempo suficiente para que os dirigentes do FC Porto se demarcassem e retratassem da inqualificável conduta do seu representante, vem a direção do Sporting comunicar que suspende todas as relações institucionais com o FC Porto até que fique claro o seu efetivo respeito pela nossa instituição, e sua efetiva vontade de estabelecer relações normais e de respeito pela instituição Sporting”, dizia o comunicado. E isso ficou claro quase quatro anos depois.

No seguimento do encontro desta quarta-feira entre os diretores de comunicação de Sporting e FC Porto, Nuno Saraiva e Francisco J. Marques, os dois clubes emitiram um comunicado conjunto onde explicam o porquê desse reatar de relações, detalhando inclusive o que foi abordado nessa reunião ontem à noite noticiada.

“É um facto que a reunião existiu, mas é falso que na base da sua motivação esteja qualquer sentimento “anti” seja quem for. Os temas que foram abordados prendem-se com questões que consideramos fundamentais para o futuro e pacificação do futebol português e em que, verificámos, existe convergência de posições: o vídeo-árbitro e regras da sua implementação; a publicidade imediata dos relatórios dos árbitros e dos delegados; alterações ao regulamento disciplinar de modo a que esteja conforme a Constituição da República e a que os castigos sejam confinados ao âmbito estritamente desportivo; propostas no sentido de que os recursos para o TAD e o Conselho de Justiça tenham efeito suspensivo das decisões do Conselho de Disciplina; substituição imediata do coordenador dos Delegados da Liga; reconhecimento dos títulos do Campeonato de Portugal como sendo de Campeões Nacionais, como consta da documentação oficial da Federação Portuguesa de Futebol e suas plataformas; regresso dos sumaríssimos para lances em que o árbitro não tenha visto e sejam detetados pela transmissão televisiva; que a lei seja efetivamente cumprida no que respeita às claques e à violência no desporto, doa a quem doer; redução dos jogos disputados à noite”, explica o comunicado colocado pouco depois das 13 horas.

Concluída esta reunião, verificámos que há caminho que pode e deve ser feito em conjunto, considerando que é muito mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa. Em face do que consideramos ser a urgência e necessidade de pacificação do futebol português, da obrigatoriedade de introduzir maior transparência e verdade desportiva, e de defender aquilo que são os valores que devem nortear o desporto nacional, entendem os dois clubes estarem reunidas as condições para que seja desencadeado de imediato o processo de reatamento das relações institucionais entre o Sporting e o FC Porto“, finaliza a missiva.

Recorde-se que, ainda antes do encontro entre diretores de comunicação, já tinham surgido alguns sinais de aproximação, adensados nos últimos meses mas que se iniciaram sobretudo a partir da eleição de Pedro Proença como presidente da Liga Portuguesa de Clubes de Futebol.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)