A polícia de Manchester deteve esta madrugada mais um homem por suspeitas de ligação ao ataque suicida que provocou a morte a 22 pessoas na noite de segunda-feira, durante um concerto na cidade britânica. As autoridades estão neste momento a fazer buscas numa casa.

Já são oito as pessoas detidas devido a suspeitas de ligação aos ataques no Manchester Arena que para além das 22 mortes, também fez cerca de uma centena de feridos. Uma dessas oito pessoas será o irmão de Salman Abedi, o alegado terrorista. Um homem e uma mulher tinham sido detidos durante a semana, mas acabaram por ser libertados sem serem alvo de qualquer acusação.

O último a engrossar esta lista foi detido já durante esta madrugada, numa operação policial que continua esta manhã. Nesta altura, segundo a polícia de Manchester, estão a ser feitas buscas numa habitação diferente do local onde o homem foi detido.

Durante esta quinta-feira, numa série de operações zona sul da cidade, a polícia de Manchester encontrou material suspeito que, de acordo com a imprensa inglesa, será semelhante ao usado pelo terrorista na construção da bomba que usou para matar mais de 20 pessoas. Entretanto, segundo o mais alto responsável pelo contraterrorismo britânico, as autoridades britânicas e norte-americanas voltaram a partilhar informação.

O Reino Unido tinha decidido, unilateralmente, suspender a partilha de informação com os Estados Unidos, um dos seus maiores aliados, depois de vários jornais – como o New York Times – terem publicado vários detalhes sobre a informação, incluindo fotos do material alegadamente usada para fabricar a bomba.

O corte de relações não durou um dia.

Manchester. Polícia deixa de partilhar informações com EUA depois da divulgação de imagens da bomba