Rádio Observador

Alojamento Local

Deputada do PS com interesses na hotelaria ligada a lei que regula alojamento local

3.681

A deputada socialista Hortense Martins, que detém uma participação numa empresa hoteleira, participou na elaboração do controverso projeto de lei que regula e limita o alojamento local.

Hortense Martins no debate sobre novas formas de turismo, em 2016. Crédito: André Vidigal / Global Imagens

116754

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Hortense Martins, deputada do PS com uma participação acionista na Investel — Investimentos Hoteleiros, foi uma das responsáveis pelo desenho do polémico projeto de lei socialista que regulamenta o alojamento local, fazendo-o depender da aprovação dos condóminos.

A informação é avançada pelo Jornal Económico (link para assinantes), que assegura que, apesar de a iniciativa legislativa ser assinada pelos deputados socialistas Filipe Neto Brandão e Carlos Pereira, a verdade é que Hortense Martins teve um papel determinante na elaboração do projeto, preparado no âmbito do Grupo de Trabalho sobre o Turismo — onde exerce funções de coordenadora.

O mesmo Jornal Económico acrescenta outros detalhes: Hortense Martins detém 24% do capital social da Martinurb — Urbanismo e Imobiliário que, por sua vez, controla 26% da Investel, uma empresa de hotelaria. A deputada socialista foi mesmo gerente da empresa entre 2008 e 2011.

Mais: entre 2010 e 2015, Hortense Martins foi membro do conselho geral da Associação da Hotelaria de Portugal, a maior associação nacional do setor hoteleiro, cargo que foi desempenhando em simultâneo com o papel de deputada e de coordenadora do Grupo de Trabalho sobre o Turismo.

Em 2o12, na qualidade de coordenadora do grupo de trabalho, precisamente, Hortense Martins chegou mesmo a presidir a uma audição parlamentar com os representantes da Associação da Hotelaria de Portugal — isto, apesar de ser membro do Conselho Geral da associação.

Desafiada a esclarecer a existência de eventuais conflitos de interesse, Hortense Martins recusou prestar declarações ao Jornal Económico.

Depois há outros detalhes. Como o jornal Eco recorda a propósito desta recente controvérsia, a Associação da Hotelaria de Portugal propôs ao Governo de Pedro Passos Coelho, em 2014, — altura em que Hortense Martins era membro da conselho geral da associação, que os condóminos tivessem uma palavra a dizer antes de um proprietário poder explorar a sua casa como alojamento local.

Em novembro de 2016, a mesma associação relançou a discussão, apresentando publicamente a proposta de revisão das regras do alojamento local, insistindo na necessidade de dar voz aos condomínios nesta questão.

Nessa altura, recupera o Jornal Económico, Hortense Martins participou num debate sobre “novas formas de turismo”, aproveitando para defender que era preciso “valorizar os setores que geram emprego e deixam cá valor”. “Novas formas de turismo, sim, mas se respeitarem as regras e funcionarem dentro de condições de leal concorrência”, afirmou então a socialista.

PS desmente envolvimento de Hortense Martins

Numa nota enviada à comunicação social, os socialistas desmentem a informação avançada pelo Jornal Económico de que Hortense Martins terá participado na elaboração do projeto de lei sobre alojamento local.

“Hortense Martins não foi consultada nesta proposta sobre alojamento local. O Grupo de Trabalho do Turismo, a que pertence a referida deputada, é uma estrutura da Comissão de Economia da Assembleia da República, que envolve deputados dos vários partidos com representação parlamentar, pelo que não caberia neste fórum a discussão de uma proposta do PS, na génese da sua elaboração”, esclarece fonte oficial do grupo parlamentar do PS.

Os socialistas garantem ainda “que a iniciativa apresentada decorreu de uma reflexão ocorrida na sequência de um conjunto de questões colocadas por cidadãos moradores em prédios onde existem frações de alojamento local. Foram analisadas reclamações e estudadas decisões judiciais, bem como avaliados os aspetos sociais e económicos envolvidos” e que os responsáveis pela iniciativa legislativa foram os deputados Carlos Pereira e Filipe Neto Brandão.

*Artigo atualizado com o esclarecimento do PS

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)