Rádio Observador

Lifestyle

Desfile com a mala perfeita na próxima viagem

Toda a gente adora viajar. Seja em férias ou em trabalho, sair da rotina é sempre uma lufada de ar fresco. Mas fazer a mala nem por isso. A não ser que siga as dicas que reunimos para si. Boa viagem!

Getty Images/iStockphoto

É inevitável associarmos o ato de viajar à alegria da descoberta e da evasão. Mesmo que se trate de uma viagem de trabalho, implica sempre sair do local habitual e acabar por conhecer outras gentes, culturas e novos sítios. E isso é apaixonante para a maioria das pessoas. Já a parte de fazer a mala não reúne assim tanto consenso. Há quem não se atrapalhe nada e a faça num abrir e fechar de olhos, mas também há quem se arraste cheio de dúvidas e indecisões sobre o que levar. No final, é sempre o mesmo problema: e agora, como é que vamos conseguir fechar a mala com tudo aquilo que lá pusemos dentro?

Para ajudar a resolver esta questão, recorremos à ajuda de Paula Margarido, arquiteta e perita em organização, para quem fazer malas de viagem não é nenhum mistério. O segredo é um só e muito simples: planeamento. Nas suas palavras, “o primeiro aspeto a ter em conta é o número de dias que vamos estar fora. A partir daí tudo se organiza”. Também ajuda “saber as temperaturas previstas para os dias e local onde se irá estar”. No caso de se tratar de uma viagem de trabalho, Paula Margarido aconselha também a “pesquisar previamente o máximo de informação disponível sobre o evento onde vamos estar presentes e as pessoas que participarão”. Desta forma, será possível levar roupa mais ou menos formal, tendo em conta o que irá acontecer. “Por exemplo, sabe-se que as profissões que lidam com a criatividade são, em regra, mais informais, enquanto outras, como as relacionadas com as finanças ou a Indústria Farmacêutica são mais conservadoras na forma de vestir”. Depois de ter esta informação, basta seguir algumas dicas que o El Corte Inglés apresenta e que reunimos aqui.

10 Dicas para que nada falte na sua mala de viagem

  • O homem precisa de um bom fato e de uma camisa por cada dia em que vai estar fora.
  • Deve incluir sempre uma ou duas gravatas de boa qualidade que combinem com o fato e as camisas;
  • Para a mulher a aposta deve ser em básicos de boa qualidade e de cores neutras (por exemplo, uma camisa branca, uma saia e umas calças). Depois, há a possibilidade de combinar tudo ao longo dos dias;
  • Não esquecer um bom casaco para a noite e um mais fino para os dias. E ainda um impermeável, caso as condições meteorológicas o aconselhem;
  • A roupa interior deve ser arrumada em sacos de pano para que seja fácil de encontrar e não esteja misturada com tudo o resto;
  • Os sapatos a levar devem ser adequados às atividades programadas e também arrumados em sacos de pano. Acima de tudo, há que privilegiar o conforto;
  • Os saquinhos de pano são também úteis para levar acessórios, como colares, pulseiras ou relógios;
  • A bolsa de higiene pessoal vai ser mais ou menos pesada conforme o grau de exigência de cada um. Paula Margarido lembra que a maior parte dos hotéis disponibiliza os artigos de higiene básicos, mas a qualidade pode não ser a melhor, porque tendem a ser produtos tudo-em-um;
  • A melhor forma de arrumar a mala é começar por colocar a roupa pesada no fundo e a mais leve em cima para que não fique amarrotada. Logo que chegue ao destino, há que pendurar logo nos cabides disponíveis;
  • As senhoras devem usar no dia da viagem uma carteira grande onde consigam guardar o maior número possível de objetos (incluindo os gadgets) e na mala de viagem guardam uma outra carteira mais pequena;
  • Se não sabe se existem chinelos de quarto no hotel e não quer levar uns, opte por levar umas meias para calçar com essa finalidade.

Testemunhos de quem viaja o tempo inteiro

Quem anda sempre a viajar de um lado para o outro já sabe perfeitamente como fazer a mala, tem a certeza do que vai levar e raramente lhe falta algo quando chega ao destino. Uma dessas pessoas é Rui Barbosa Batista, jornalista e autor de blog de viagens. Conta com mais de cem países visitados e promete não parar, por isso, fazer malas ou mochilas é coisa que não o assusta. Aliás, nesta tarefa diz que “dificilmente demora mais de 15 minutos”. Assume-se como “muito pragmático” e embora considere que “nada é verdadeiramente imprescindível”, há coisas que leva sempre: “Um leitor de mp3, um tapa-olhos, escova e pasta de dentes, o telemóvel e o tablet que ajuda a manter o contacto e a passar o tempo dos voos ou nos aeroportos.”

O principal conselho que partilha no que toca a preparar malas de viagem é fazê-las “mais a pensar no regresso do que na partida”. “Nada há que me possa faltar que não possa comprar no destino. Já as coisas que compro em viagem precisam obrigatoriamente de espaço. A minha grande ginástica é precisamente no regresso. Regularmente deixo ficar roupa e outros itens não essenciais para ganhar espaço”, conclui.

Quem também anda sempre numa roda-viva é Linda Pereira, CEO de uma empresa de organização de eventos e consultora internacional. Ao contrário de outras pessoas, gosta de fazer a sua própria mala e é “muito organizada nessa tarefa”. Diz que faz a mala “apenas um dia antes de partir”, mas previamente já analisou o programa de trabalho para ver os eventos formais e informais em que estará presente. Depois de decidir a roupa que vai levar, passa tudo a pente fino: “vejo se está tudo limpo, com os botões no lugar e se me fica bem.” Um dos truques que costuma usar é levar a roupa toda em duas cores que depois combina, por exemplo, preto e vermelho. “Assim, de dois fatos faço quatro e previamente visualizo os conjuntos exatamente como os vou usar, incluindo roupa interior, joalharia e sapatos.”

Por força da profissão, também Pedro Areias, diretor comercial de uma agência de viagens, passa muito tempo fora de casa. Acaba por delegar na mulher a tarefa de preparar a mala, não só porque confia, mas também “porque o tempo é sempre curto”. Dentro da mala diz que nunca pode faltar a máquina de aparar barba e cabelo, mas é muito pragmático em tudo o resto: “a nível pessoal prefiro levar roupa à conta, pois qualquer coisa que falte compra-se lá. A nível profissional o espaço é sempre pouco e tem de ser maximizado ao máximo para roupa casual e formal. Costumo aproveitar as calhas do troley e separar os artigos de higiene por diversas bolsas.” Quanto às características que preza nas malas que usa, refere que devem ter “quatro rodas de qualidade e uma das partes deve ser separada por fecho para as camisas”.

Escolha a mala certa para si

Na verdade, a mala acaba por desempenhar um dos papéis principais em toda a viagem, não só porque precisamos que lá caiba tudo o que precisamos de levar (e trazer), como é importante que seja robusta, feita de bons materiais e reflita bem o estilo de quem a usa. Afinal, a mala de viagem é também um acessório de moda, pelo que deve ser criteriosamente escolhida. A pensar nisso mesmo, o El Corte Inglés disponibiliza no seu catálogo uma variedade de malas, sacos, troleys e mochilas para todo o tipo de viagens e de viajantes. Ninguém foi esquecido e a coleção inclui artigos para homem, senhora e criança, com padrões adequados a todas as idades e que não vão deixar ninguém indiferente. Não faltam sequer os acessórios indispensáveis a condizer e que tornam mais confortável a experiência da viagem. Espreite a fotogaleria e escolha uma mala El Corte Inglés com que vai partir à descoberta do mundo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)