A Tesla tem estado, recentemente, envolta em alguma polémica devido às alegadas deficientes condições de trabalho na sua fábrica de Fremont. Para provar o contrário, Elon Musk promete meter mão à obra e marcar presença na linha de montagem, desempenhando as mesmas tarefas levadas a cabo pelos seus empregados que foram vítimas de lesões ou acidentes de trabalho.

O anúncio terá sido feito pelo emblemático CEO da marca californiana no final de Maio, e foi agora divulgado pelo site do clube de proprietários do Model 3 (sim, esses que ainda nem receberam o seu exemplar de um modelo que só em Julho deverá ser oficialmente revelado na sua versão definitiva). Na missiva, dirigida a todos os seus funcionários, Musk reitera que a segurança e o bem-estar dos colaboradores da Tesla são uma das suas principais preocupações, lamentando ainda as lesões que alguns possam ter sofrido enquanto desempenhavam as suas tarefas.

Acrescenta ainda ter dado instruções no sentido de cada acidente trabalho, sem exceção, lhe ser comunicado directamente, e a sua intenção de realizar não só reuniões semanais com as equipas de segurança, como com cada funcionário afectado – para melhor perceber a extensão das medidas que tenham de ser adoptadas para corrigir eventuais falhas. Rematando que, em consequência, integrará diretamente a linha de produção, desempenhando as mesmas tarefas por estes efectuadas.

Preocupação e solidariedade genuínas, ou mera manobra publicitária, o facto é que, a cumprir-se efectivamente, a decisão anunciada por Musk não deixa de causar alguma estranheza. Sobretudo por ocorrer num período que se prevê de grande azáfama para a Tesla, tendo em conta que, dentro de cerca de um mês, a casa de Palo Alto irá oficialmente apresentar a versão definitiva do tão aguardado Model 3, modelo considerado determinante para o seu futuro.